Listagem de Estágios

Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed

1636. A luz como fonte de potenciais fármacos


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Carlos A. M. Afonso
Nº Alunos: 2
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): João Oliveira e Filipa Siopa


Descrição: Aminociclopentitóis são uma classe de moléculas com um vasto espectro de atividades biológicas, evidenciando-se a sua aplicação como inibidores da glicosidase. Os inibidores da glicosidase já estão no mercado como fármacos contra a diabetes tipo II, a gripe suína e para o tratamento da doença de Gaucher. Uma atrativa abordagem para a síntese de aminociclopentitóis é a transformação fotoquímica de sais de piridínio a aziridinas-bicíclicas, seguida da abertura do anel da aziridina originando aminociclopentenos, um intermediário versátil na síntese de aminociclopentitóis.

Este projeto pretende contribuir nesta área através da descoberta de uma nova transformação fotoquímica de piridínio assistida por fluxo contínuo. O impacto deste conceito será enorme nos domínios da síntese orgânica assim como na área da fotoquímica, uma vez que os resultados esperados vão originar um novo método para a síntese de precursores de aminociclopentitóis. Os produtos obtidos abrirão uma nova área de compostos biologicamente ativos que podem ser aplicados para desenvolver novas moléculas com potencial atividade.

Observações: Trazer bata

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: João Oliveira e Filipa Siopa

Esta iniciativa já não aceita candidaturas


1630. Como morrem as nossas células?


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Cecília Rodrigues
Nº Alunos: 2
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Investigadores do Grupo Cell Fun do iMed.ULisboa Coordenador: Cecilia Rodrigues Margarida Castro Caldas


Descrição: Parte das nossas células vai morrendo, ao longo da vida, porque a vida é impossível sem a morte... Algumas células morrem com o envelhecimento, mas outras morrem em qualquer idade e por motivos diferentes: na sequência de uma doença, por exposição a agentes tóxicos físicos, químicos ou biológicos, ou simplesmente porque deixaram de ser necessárias ou passaram a ser indesejáveis. Curiosamente, há células que resistem à morte, tornando a vida impossível...

Mas, como morrem as células? E o que as impede de morrer? Será possível reprogramar e reconduzir as células para a vida ou para a morte? Este estágio proporciona a integração dos alunos numa equipa de investigação, execução de experiências simples, visitas a laboratórios, sempre acompanhados por investigadores que procuram diariamente respostas para estas, e outras, perguntas.

Observações: Estágio num Laboratório de Biologia Molecular e Celular e Bioquímica para alunos do secundário interessados nesta temática, com acompanhamento em proximidade de várias atividades laboratoriais e possibilidade de execução de diversos protocolos experimentais.

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: Margarida Castro Caldas

Esta iniciativa já não aceita candidaturas


1634. Cosmecêuticos nanoformulados. Sabes o que são? Vem descobrir!


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Sandra Simões
Nº Alunos: 2
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Sandra Simões, Manuela Carvalheiro


Descrição: O cosmecêuticos são produtos que realizam ações cosméticas muito mais ativas, ou seja, são mais eficazes no cuidado da pele porque lhe fornecem compostos que a ajudam a ser mais saudável e mais bonita. Os cosméticos nanoformulados possuem uma característica adicional que é a de possuírem estruturas nanométricas que ajudam a que a ação na pele dos compostos veiculados seja mais eficaz. Este estágio pretende dar a conhecer a aplicação da nanotecnologia à cosmética e as técnicas utilizadas para a preparação e caracterização de lipossomas de origem natural. O estágio permitirá também descobrir os benefícios de alguns ingredientes que usamos na cozinha na preparação de cosmecêuticos.

Observações: Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, Av. Prof. Gama Pinto, 1649-003 Lisboa

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: Adelaide Fernandes

Esta iniciativa já não aceita candidaturas


1760. De nanopartículas a uma vacina para o cancro


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Salomé Pires Lourenço
Nº Alunos: 2
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Dra. Liane Moura, Prof. Liana Silva, Prof. Helena Florindo


Descrição: O cancro é a segunda causa de mortalidade no mundo inteiro, tendo sido responsável por 10 milhões de mortes em 2021. Os tratamentos atuais contra o cancro incluem intervenção cirúrgica, radioterapia e quimioterapia que estão associados a elevada toxicidade e morbidade. Assim, é urgente desenvolver novas estratégias terapêuticas para estimular respostas anti-tumorais de forma eficiente e segura.
As células cancerígenas utilizam diferentes mecanismos para ultrapassar a resposta do nosso sistema imunitário, o que lhes permite desenvolver estruturas com enorme agressividade. As vacinas são uma das armas mais poderosas que o Homem tem contra as doenças infeciosas e, os recentes desenvolvimentos em imuno-oncologia apontam para o seu papel promissor no controlo de diferentes tipos de cancros. Esta abordagem imunoterapêutica resulta no desenvolvimento de uma resposta imunológica de memória, a qual, por exemplo, poderá atuar rapidamente caso um tumor volte a surgir no corpo de um doente oncológico em remissão.
Nesta atividade iremos utilizar a nanotecnologia para desenvolver vacinas terapêuticas que irão estimular as células fagocitárias no sentido de induzir uma resposta imunológica específica contra um determinado tipo de tumor, como o melanoma. Para além da formulação e caraterização deste produto, iremos também avaliar o impato destas nanovacinas na estimulação de células imunológicas em cultura celular.

Observações: -

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: Liane Moura

Esta iniciativa já não aceita candidaturas


1633. Descobrir a importancia da mielina no nosso sistema nervoso


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Adelaide Fernandes
Nº Alunos: 3
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Adelaide Fernandes Andreia Barateiro Ainhoa Alberro Rita Ribeiro Catarina Barros Maria Vaz Pinto


Descrição: Sabias que para a correta passagem da informação de um neurónio para o outro é preciso que os seus axónios estejam envolvidos por uma bainha de mielina? Esta membrana lipídica permite que os neurónios comuniquem de forma mais rápida e eficaz. Quando a mielina é danificada, o que acontece na doença Esclerose Múltipla, ocorre a manifestação de sintomas diversos desde a perda de sensibilidade, de movimento, de visão ou de audição. Este estágio dá a conhecer a relevância da mielina na formação e função do sistema nervoso, bem como as células envolvidas na sua destruição e regeneração aquando de uma doença neurodegenerativa.

O estágio iniciar-se-á com uma apresentação da nossa Faculdade de Farmácia e do nosso Instituto de Investigação do Medicamento, bem como uma interação entre os alunos dos diversos estágios onde serão divulgadas as atividades científicas.

De seguida, os alunos irão contactar de perto com modelos onde podemos estudar a mielina e a sua relação com as células do cérebro, bem como perceber o papel da inflamação para a destruição e regeneração da mielina em doenças neurodegenerativas. Irão ter a oportunidade de visualizar as diferentes células quer de uma forma mais simplificada numa caixa de cultura, quer de forma mais complexa em tecido cerebral de amostras decorrentes dos nossos projetos de investigação. Perceber como o microambiente local é fundamental não só para o dano da mielina, mas também para a limpeza dos seus detritos e consequente recuperação de nova mielina.

No final os alunos apresentarão e discutirão a sua experiência laboratorial numa sessão conjunta com colegas de outros estágios na Faculdade de Farmácia.

A participação neste estágio contribuirá de certo para um enriquecimento do seu conhecimento na área das neurociências, bem como do seu percurso formativo, permitindo um contacto mais próximo com diferentes domínios que constituem as Ciências Farmacêuticas e o Medicamento.

Observações: Trazer bata

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: Adelaide Borralho

Esta iniciativa já não aceita candidaturas


1632. Desenvolvimento de Fármacos Anti-convulsivantes


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Maria de Jesus Saldanha Rocha
Nº Alunos: 2
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Maria de Jesus Perry Maria Eduarda Mendes


Descrição: A Epilepsia ocupa o 4º lugar nas doenças neurológicas. Sabe-se que 1 em cada 26 pessoas desenvolverá epilepsia em qualquer altura da sua vida.
Para além da doença em si condicionar a vida dos doentes, os tratamentos médicos e cirúrgicos utilizados estão associados a um número elevado de efeitos secundários adversos. Como os anti-convulsivantes existentes partilham estes efeitos secundários (sedação, apatia, irritabilidade, dificuldade de falar, depressão, etc…), verifica-se que muitos pacientes abandonam as terapêuticas. Neste projecto pretende-se que os alunos se envolvam na síntese, purificação, identificação estrutural e estudo de propriedades moleculares de um anti-convulsivante, com a dinâmica própria das metodologias aplicadas pela química terapêutica no desenvolvimento de fármacos. No final ser-lhes-á proporcionada a apresentação e discussão dos resultados alcançados por recurso a aplicações multimédia.

Observações: Trazer bata.

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: Maria Jesus Perry

Esta iniciativa já não aceita candidaturas


1639. Folha de oliveira como recurso bio-renovável


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Carlos A. M. Afonso
Nº Alunos: 2
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Késsia H. S. Andrade_ Carlos A. M. Afonso


Descrição: Esta proposta de estágio visa trazer experiência e conhecimento na valorização de recursos bio renováveis, através da aplicação de metodologias de química orgânica sintética que permitem a criação de moléculas derivadas de recursos naturais prontamente disponíveis, como as folhas de oliveira.
A oleropeína (OLE) é um dos principais compostos encontrados na folha da oliveira (0,5-2% (p / p) seco) seguida de uma variedade de outros compostos fenólicos. Esta, é constituída por três blocos: hidroxitirosol, glicose e monoterpeno que mantêm características químicas atraentes e tem atividade antimicrobiana e antiviral.
A nossa proposta de trabalho consiste então na extração de oleropeína das folhas de oliveira seguida de uma reação de metanólise catalisada por Amberlyst 15 (uma resina com características acídicas) que visa a clivagem exclusiva da ligação acetal entre o glicosídeo e as subunidades de monoterpeno, e elimina assim a porção glicosídica.

Observações: O(A) aluno(a) deve trazer bata de laboratório e óculos de proteção. É aconselhável trazer um caderno de apontamentos.

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: Késsia H. S. Andrade_ Carlos A. M. Afonso

Esta iniciativa já não aceita candidaturas


1631. Queres combater a invasão microbiana no mundo dos dispositivos médicos?


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Isabel Ribeiro
Nº Alunos: 2
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Isabel Ribeiro, Ana Bettencourt, Lídia Gonçalves


Descrição: O que é um dispositivo médico? Porque podem os dispositivos médicos estar associados a infeções? Quais os agentes patogénicos responsáveis por essas infeções? Que estratégias selecionar para prevenir a infeção? Como aferir o sucesso da estratégia seguida?
Estas questões serão abordadas no decorrer do estágio seguindo-se a realização de diferentes trabalhos laboratoriais relacionados com prevenção da colonização, por microrganismos patogénicos, de superfícies de biomateriais destinados à produção de dispositivos médicos (nomeadamente catéteres e implantes ósseos). Os alunos irão produzir por via biotecnológica antimicrobianos para a funcionalização de silicone usado na produção de catéteres. Avaliarão as propriedades antibiofilme/antibacterianas dos materiais funcionalizados e realizarão alguns ensaios de caracterização de superfície. Vão também estudar a libertação de fármacos antimicrobianos adicionados a cimentos ósseos e avaliar a citocompatibilidade em células de mamífero de alguns biomateriais.
Espera-se que no final os alunos façam uma apresentação do trabalho desenvolvido e respetiva discussão.
Estágio no âmbito do projeto de investigação PTDC/BTM-SAL/29335/2017.

Observações: Trazer bata.

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: Isabel Ribeiro

Esta iniciativa já não aceita candidaturas


1635. Vamos prevenir a formação de metástases cerebrais de cancro da mama


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Maria Alexandra Brito
Nº Alunos: 2
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Maria Alexandra Brito, Ana Rita Garcia, Joana Godinho Pereira


Descrição: O cancro da mama é a patologia maligna mais frequente nas mulheres, levando ao desenvolvimento de metástases cerebrais em 15 a 25% das doentes. As metástases cerebrais de cancro da mama são uma situação clínica muito preocupante, pelo facto de estarem associadas a reduzida qualidade de vida e diminuta sobrevivência. As metástases cerebrais formam-se após passagem das células malignas através das células endoteliais que revestem os capilares sanguíneos cerebrais. Estas células têm uma estrutura única e complexa, conhecida por barreira hematoencefálica. O Laboratório Neurovascular dedica-se ao estudo da passagem das células de cancro da mama através da barreira hematoencefálica e ao desenvolvimento de estratégias para a sua prevenção, de modo a evitar a formação das metástases cerebrais. O objetivo do presente estágio é proporcionar aos alunos a compreensão dos fundamentos científicos do processo de metastização cerebral, bem como de metodologias atuais para o seu estudo. Para o efeito, durante o estágio o aluno terá contacto com diversas técnicas de biologia celular e molecular. Entre estas, conta-se a cultura das células de cancro da mama e das células endoteliais da barreira hematoencefálica, isoladamente e em conjunto, de modo a mimetizar a situação patológica. Será também analisada a expressão de proteínas de interesse pelo método de imunofluorescência, distinguindo um tipo celular do outro recorrendo a marcadores específicos, de modo a estabelecer as alterações resultantes da interação. Será ainda avaliado o efeito de modeladores específicos na prevenção das alterações resultantes da exposição das células endoteliais às células de cancro da mama. Globalmente, este estágio proporcionará ao aluno bases para o seu desenvolvimento científico nas áreas da Biologia, Bioquímica, Medicina e Ciências Farmacêuticas e Biomédicas. Também importante é o facto de proporcionar a integração num ambiente de investigação, em contexto real, acompanhando o trabalho de jovens cientistas que se encontram a desenvolver as suas teses de doutoramento.

Observações: O estágio “Vamos prevenir a formação de metástases cerebrais de cancro da mama” realiza-se no Laboratório Neurovascular, Instituto de Investigação do Medicamento, Faculdade de Farmácia de Lisboa. O aluno integrará uma equipa dedicada ao estudo das metástases cerebrais de cancro da mama, tendo a oportunidade de acompanhar os trabalhos em curso e de aprender múltiplas metodologias, seus fundamentos e procedimentos. Em particular, o aluno tomará contacto com culturas de células de complexidade crescente, incluindo culturas simples e culturas mistas ou co-culturas. Acompanhará também a avaliação das alterações decorrentes da interação celular e sua modelação, recorrendo à análise da morfologia das células por microscopia de fluorescência, bem como de proteínas de interesse por imunofluorescência. Globalmente, este estágio proporcionará ao aluno o contacto com um ambiente de investigação em contexto real, fornecendo-lhe bases para o seu desenvolvimento científico nas áreas da Biologia, Medicina e Ciências Farmacêuticas e Biomédicas.

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: Maria Alexandra Brito

Esta iniciativa já não aceita candidaturas


1726. Vem descobrir o cérebro ao microscópio


Instituição: Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa - Instituto de Investigação do Medicamento - iMed
Responsável: Ana Rita Vaz
Nº Alunos: 2
Anos:
Área:
Data: de 27-06-2022 a 01-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Dora Brites Ana Rita Vaz Ana Teresa Matos Marta Santos


Descrição: Que células nervosas existem no cérebro para além dos neurónios e como “conversam” entre si?
De que forma ficam doentes, envelhecem e causam demência? Como devem intervir os fármacos?
Este estágio dá a conhecer as diferentes células nervosas, e foca-se na função dos neurónios e das células da microglia, as células com função imunológica do cérebro, nas doenças neurodegenerativas.

O estágio iniciar-se-á com uma interação entre os alunos dos diversos estágios onde serão divulgadas as atividades científicas.

Os alunos irão contactar de perto com as células do cérebro, e de como estas podem ser modelos de estudo nas doenças neurodegenerativas onde a inflamação tem um papel chave. Poderão observar cada célula numa caixa de cultura, isoladas ou em conjunto com outro tipo celular, de forma a perceber como elas comunicam entre si. Serão obtidos resultados respeitantes à avaliação da sua morfologia, reação perante um estímulo, e quais as vias de sinalização/ disfunção implicadas em modelos de doença, recorrendo a metodologias como a microscopia de fluorescência. Os alunos terão igualmente contacto com outras metodologias de biologia molecular que permitam identificação de proteínas e genes que poderão estar implicados nas doenças neurodegenerativas e que possam constituir potenciais alvos terapêuticos.

No final os alunos apresentarão e discutirão a informação recolhida numa sessão conjunta com colegas de outros estágios na Faculdade, ficando com uma ideia transversal e integrada da aplicação das Ciências Farmacêuticas na Saúde.

A participação neste estágio contribuirá para o enriquecimento do percurso formativo dos jovens, integrando diferentes domínios do conhecimento, nomeadamente as Ciências Farmacêuticas e o Medicamento e a sua investigação.
Observação: Bata necessária.

Observações: n.a

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Entrada Principal da Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa Hora: 9 a.m.
Pessoa de contacto: Ana Rita Vaz / Dora Brites

Esta iniciativa já não aceita candidaturas