Listagem de Estágios

MEtRICs - Ciências e Tecnologia da Biomassa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa

1745. As plantas nossas amigas….utiliza os frutos de figos da índia como sensores para avaliar alimentos deteriorados


Instituição: MEtRICs - Ciências e Tecnologia da Biomassa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa
Responsável: Carolina Rodrigues
Nº Alunos: 2
Anos: 10º, 11º, 12º
Área: Ciências da Saúde
Data: de 18-07-2022 a 22-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Carolina Rodrigues e Filipa Pires


Descrição: O figo da índia é uma espécie de cacto que se desenvolve em zonas áridas e semiáridas. Os seus frutos fazem parte na dieta alimentar de diversos países, como os países do Mediterrâneo e do México e são ricos em nutrientes, contendo diversos compostos com atividade benéfica para a saúde humana. Mas estes frutos são também ricos em betalaínas, compostos que mudam de cor com o pH e que podem ser úteis como sensores na avaliação de alimentos deteriorados.
Neste estágio terás oportunidade de analisar a composição dos frutos de figo da índia, quer em termos nutricionais quer em termos dos compostos funcionais. Em diferentes frutos irás analisar o teor de açúcar, proteína, gordura, vitaminas e ainda os teores de betalainas. Irás avaliar a alteração da cor com o pH destas betalaínas depois de as conseguires extrair dos frutos
É oferecido o almoço.

Observações: Ensaios importantes para ajudar a avaliar se estes frutos podem ser usados como sensores para avaliar alimentos deteriorados.

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: lab 145, edificio departamental, FCT NOVA, Campus Caparica Hora: 10h
Pessoa de contacto: Carolina Rodrigues

Estágio Esgotado


1742. Podemos aproveitar o bagaço de azeitona?


Instituição: MEtRICs - Ciências e Tecnologia da Biomassa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa
Responsável: Ana Luísa Fernando
Nº Alunos: 2
Anos: , 10º, 12º, 11º
Área: Ciências da Saúde
Data: de 18-07-2022 a 22-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Ana Luisa Fernando, e Filipa Pires


Descrição: O bagaço de azeitona e um sub-produto/resíduo obtido na produção de azeite e representa um problema ambiental devido à quantidade de compostos fenólicos e outros, que podem contaminar as águas subterrâneas, os solos, as águas superficiais e podem resultar em problemas ao longo da cadeia alimentar, inclusive podem fazer perigar a saúde humana. A compostagem deste sub-produto in natura ou em mistura com outros sub-produtos pode resultar na sua valorização.
Neste estágio terás oportunidade de analisar a composição do bagaço compostado. Nos diferentes produtos de compostagem que estão a ser produzidos serão realizadas análises: pH, condutividade, carbono orgânico, fenóis totais, azoto, fósforo, nitratos, fosfatos, azoto amoniacal, entre outros, e de realizar igualmente testes microbiológicos para avaliar a toxicidade para os ecossistemas.
É oferecido o almoço.

Observações: Os teus resultados vão ajudar a avaliar se os diferentes compostos podem servir como fertilizante para a agricultura e se podem ou não ser tóxicos para a saúde pública e dos ecossistemas

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: lab 145, edificio departamental, FCT NOVA, Campus Caparica Hora: 10:00:00
Pessoa de contacto: Ana Luisa Almaça da Cruz Fernando

Estágio Esgotado


1763. Podemos tratar solos contaminados e produzir energia?


Instituição: MEtRICs - Ciências e Tecnologia da Biomassa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa
Responsável: Leandro Augusto Gomes
Nº Alunos: 2
Anos: , 10º, 11º
Área: Química
Data: de 18-07-2022 a 22-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Leandro Gomes e Marcelo Abias


Descrição: Culturas dedicadas para produção de energia, como a cana de açúcar para bioetanol no Brasil, contribuem para a diversificação do fornecimento de energia, e a transformação de energia solar em energia química, no processo fotossintético, permite a redução da emissão de gases com efeito estufa e a mitigação de problemas relacionados com a biodegradabilidade dos materiais. No entanto, a crescente procura por este tipo de biomassa, aumentam a competição pelo uso do solo, ameaçando a produção de alimentos.
Em consequência, o cultivo deste tipo de culturas em solos contaminados é uma abordagem que permite minimizar a competição pelo uso do solo com as culturas alimentares. Neste estágio, terás oportunidade de avaliar se algumas destas culturas (lenhocelulósicas, como a cana e o sorgo), são tolerantes a solos contaminados com metais pesados, como o mercúrio e o chumbo. E poderás ainda avaliar se estas biomassas têm um poder calorífico elevado para poderem ser utilizadas na produção de bioenergia. A análise da composição da biomassa, nomeadamente o teor de cinzas, fibra, e ainda o teor de proteína, permite quantificar o efeito remediador do solo.
É oferecido o almoço.

Observações: Ensaios importantes para ajudar a avaliar se as biomassas ricas em material lenhocelulósico, como as canas, podem ser usadas na fitorremediação de solos contaminados com metais pesados e ao mesmo tempo na produção de bioenergia.

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: lab 145, edificio departamental, FCT NOVA, Campus Caparica Hora: 10h
Pessoa de contacto: Leandro Augusto Gomes

Estágio Esgotado


1761. Transforma os resíduos agro-alimentares e florestais em nanocelulose para bioplásticos, para cumprir os objetivos da União Europeia para 2050


Instituição: MEtRICs - Ciências e Tecnologia da Biomassa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa
Responsável: João Pires
Nº Alunos: 5
Anos: 10º
Área: Agronomia
Data: de 18-07-2022 a 22-07-2022 Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): João Pires e Leandro Gomes


Descrição: Inúmeros anos de industrialização têm levado ao esgotamento contínuo de recursos não renováveis ​​e a altos níveis de poluição. Por esse motivo, a União Europeia traçou objetivos
muito ambiciosos para 2050, sendo que o desenvolvimento de novos tipos de materiais de base biológica e degradáveis ​, pode ajudar a cumprir essas metas. A biomassa lenhocelulósica
é um dos biorecursos menos utilizados no mundo, consistindo principalmente de lenhina, celulose, e hemiceluloses. Este tipo de biomassa é abundante na natureza e pode ser obtida a partir de diversas fontes, entre as quais estão os resíduos agro-alimentares e os resíduos florestais. A celulose extraída desta biomassa pode ser despolimerizada dando origem a um material à escala nanométrica de base biológica, a nanocelulose (NC). Devido às suas propriedades mecânicas, o reforço em bioplásticos tem sido apontado como uma das aplicações da nanocelulose. Neste estágio terás oportunidade de analisar a composição de diferentes resíduos lenhocelulósicos, nomeadamente o teor de cinzas, fibra, e ainda o teor de proteína, e de isolar a celulose e de caracterizar a nanocelulose obtida. Irás produzir bioplásticos com nanocelulose e avaliar a capacidade de reforço por comparação com bioplásticos sem nanocelulose.
É oferecido o almoço.

Observações: Ensaios importantes para ajudar a avaliar se os resíduos agroalimentares e florestais ricos em lenhocelulose podem ser usados na preparação de nanocelulose e se esta pode ser incorporada com sucesso em bioplásticos, contribuído para o reforço destes biopolímeros.

Este estágio não disponibiliza alojamento para alunos deslocados

Este estágio disponibiliza almoços

1º Dia de Estágio

Local de encontro: Laboratório 145, Edificio Departamental, FCT NOVA, Campus Caparica Hora: 10h
Pessoa de contacto: João Pires

Inscrição