Materiais
Prensa de Secagem de Plantas

O que é um herbário

√Č uma colec√ß√£o de plantas prensadas e secas, dispostas segundo determinada ordem e dispon√≠veis para refer√™ncia ou estudo.Um herb√°rio pode conter algumas centenas de exemplares colhidos num determinado local, ou, geralmente, ser composto de milh√Ķes de exemplares, acumulados ao longo de muitos anos e que documentam a flora de um ou mais continentes.

O objectivo geral da gestão de um herbário é a colheita e conservação de exemplares de plantas com as respectivas etiquetas. Destas etiquetas fazem parte elementos referentes ao local e data da colheita, nome do colector e a identificação da espécie em questão (binome latino seguido do nome do classificador).

A forma√ß√£o de herb√°rios iniciou-se no s√©culo XVI em It√°lia, como colec√ß√Ķes de plantas secas e cosidas em papel.

Lineu (1707-1778), designado como o ‚Äúpai da taxonomia‚ÄĚ aparentemente popularizou a pratica corrente de montar os exemplares em simples folhas de papel e guard√°-las horizontalmente. Este bot√Ęnico foi quem fez uma das principais obras de refer√™ncia (Species plantarum, 1753), a partir da qual se passaram a designar as plantas pelo binome latino.

Para que serve?

Para referenciar e permitir identificar facilmente as plantas. A identifica√ß√£o √© feita com base em floras, que s√£o livros que cont√™m chaves e descri√ß√Ķes que permitem distinguir as v√°rias fam√≠lias, g√©neros, esp√©cies, entre outras categorias taxon√≥micas.

As chaves de identifica√ß√£o s√£o feitas com conjuntos de caracteres morfol√≥gicos das plantas. Para observar estes caracteres, por vezes, √© necess√°rio recorrer a lupas. As plantas t√™m um nome cient√≠fico (composto por duas palavras em latim, a 1¬™ referente ao g√©nero e a 2¬™ √† esp√©cie, seguidas do nome do classificador), que √© o mesmo em qualquer parte do mundo. As designa√ß√Ķes vulgares variam regionalmente e podem n√£o corresponder a uma √ļnica planta.

Como se faz uma prensa para secar o material para conservar no herb√°rio?

Material necess√°rio

- 2 placas de madeira (dimens√Ķes sugeridas ‚Äď 40x30 cm), com um furo a 2,5 cm de cada um dos quatros cantos

- 4 parafusos compridos com porcas de orelhas e jornais.

Procedimento

Sobre uma das placas de madeira colocar v√°rios jornais, depois um exemplar completo da esp√©cie a herborizar (com caule, folhas e flores/frutos, eventualmente ra√≠zes) dentro de um jornal e, novamente, jornais vazios. N√£o esquecer de colocar junto a cada planta colhida uma etiqueta com os seguintes elementos: nome da planta (cient√≠fico, se conhecido, ou vulgar), local da colheita (o mais pormenorizado poss√≠vel, com distrito, concelho, lugar, ecologia, se √© seco/h√ļmido, pr√≥ximo de caminhos, altitude, etc.) data da colheita, nome do colector.

√Č importante haver jornais sem plantas entre exemplares herborizados, para a humidade que sai das plantas e que √© absorvida pelos jornais n√£o passar dum exemplar para outro. Assim, evita-se o crescimento de fungos (bolores) nas plantas e fermenta√ß√Ķes, que as danificavam, n√£o permitindo a sua conserva√ß√£o.

Depois de prensadas todas as plantas colhidas coloca-se a outra placa de madeira e apertam-se as porcas de orelhas dos parafusos, até sentir alguma pressão, de modo que as plantas fiquem espalmadas, mas não esborrachadas!!!. Têm que se mudar os jornais com frequência, de início todos os dias e, posteriormente, à medida que a planta vai secando, vai-se diminuindo a frequência de substituição dos mesmos.

copyright Lucélia Pombeiro e Teresa Nogueira INETI - DTIQ

copyright Lucélia Pombeiro e Teresa Nogueira INETI - DTIQ

Lucélia Pombeiro e Teresa Nogueira, LNEG.

Documento produzido no √Ęmbito do  projeto PULSAR