Listagem de Est√°gios

Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

385. √Ä Descoberta dos Ze√≥litos: Propriedades e aplica√ß√Ķes na ind√ļstria e no dia-a-dia


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Respons√°vel: Angela Martins Nunes
N¬ļ Alunos: 2 Anos: 10¬ļ, 11¬ļ, 12¬ļ √Ārea: Qu√≠mica, F√≠sico-Qu√≠mica
Data: de 19-07-2021 a 23-07-2021 Hor√°rio: Manh√£
Investigador(es): Angela Martins Nunes


Descri√ß√£o: No s√©culo XVIII o mineralogista sueco Cr√∂nsted descobriu uns minerais estranhos aos quais atribuiu o nome de ze√≥litos, por composi√ß√£o das palavras gregas ‚Äúzein‚ÄĚ (ferver) e ‚Äúlithos‚ÄĚ (pedra). Durante muitos anos estes materiais eram apresentados apenas como curiosidades mineral√≥gicas... Actualmente estes materiais t√™m uma vasta aplica√ß√£o industrial.
Propomos com este est√°gio explorar as propriedades f√≠sico-qu√≠micas dos ze√≥litos que est√£o na origem das v√°rias aplica√ß√Ķes industriais destes materiais.
Vamos demonstrar como estes materiais conseguem reter moléculas na sua superfície interna, através de um processo chamado adsorção.
Ir√°s compreender porque os ze√≥litos fazem parte da formula√ß√£o dos detergentes para lavar roupa na m√°quina l√° de casa, pois removem os i√Ķes c√°lcio, respons√°veis pela dureza da √°gua, evitando assim deposi√ß√£o de calc√°rio e protegendo a resist√™ncia da m√°quina de lavar roupa.
Ir√°s descobrir que os ze√≥litos s√£o capazes de acelerar a velocidade de algumas reac√ß√Ķes qu√≠micas, comportando-se como catalisadores. Na verdade, cerca de 80% dos produtos produzidos industrialmente passaram numa das fases de fabrico pela ac√ß√£o de catalisadores.

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: √Ātrio do Edif√≠cio P do ISEL Hora: 10:00:00 AM
Pessoa de contacto: Angela Martins Nunes

Est√°gio j√° em curso / terminado

386. A Química na Nossa Vida


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Responsável: Hugo Félix Silva e Nelson Alberto Silva
N¬ļ Alunos: 6 Anos: 9¬ļ, 10¬ļ, 11¬ļ, 12¬ļ √Ārea: Qu√≠mica, F√≠sico-Qu√≠mica
Data: de 19-07-2021 a 23-07-2021 Hor√°rio: Manh√£
Investigador(es): Hugo Félix Silva e Nelson Alberto Silva


Descri√ß√£o: A Qu√≠mica √© uma ci√™ncia da qual dependemos constantemente no nosso dia-a-dia. Na nossa higiene di√°ria, em que os produtos s√£o fabricados por processos qu√≠micos. O nosso pequeno-almo√ßo ter√° inevitavelmente a presen√ßa das ind√ļstrias qu√≠micas que ajudaram a fabricar o nosso iogurte, os cereais. Vestiremos a nossa roupa fabricada de fibra e tingida por tintas provenientes das f√°bricas de produtos qu√≠micos. Na an√°lise de par√Ęmetros de afetam a nossa sa√ļde. Ao longo do dia estaremos sempre acompanhados pela qu√≠mica a ajudar-nos a ter uma vida mais saud√°vel, saborosa e mais confort√°vel. Neste est√°gio realizaremos a an√°lise de produtos importantes para o nosso dia-a-dia assim como amostras biol√≥gicas para avaliar o nosso estado de sa√ļde. Ir√°s utilizar as t√©cnicas de an√°lise que os qu√≠micos usam nos seus laborat√≥rios. Analisaremos produtos de higiene, como o fluor na pasta dos dentes, o ferro nas √°guas e o teor de s√≥dio e pot√°ssio na tua pr√≥pria urina. Ficar√°s assim a saber como s√£o testados os produtos que todos os dias usas e como se pode avaliar o teor de sal no teu organismo. Ficaras tamb√©m a conhecer o que faz e como faz um qu√≠mico na sua rotina di√°ria. A qu√≠mica ter√° menos segredos!

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: ISEL - √Ātrio principal Hora: 10:00:00 AM
Pessoa de contacto: Hugo Félix Silva

Est√°gio j√° em curso / terminado

390. Análise granulométrica do areal da praia de Santo Amaro de Oeiras


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Responsável: José Palmeira
N¬ļ Alunos: 2 Anos: 10¬ļ, 11¬ļ, 12¬ļ √Ārea: Tecnologia
Data: de 19-07-2021 a 22-07-2021 Hor√°rio: Manh√£
Investigador(es): José Palmeira


Descri√ß√£o: O objectivo deste est√°gio √© permitir ao aluno aprender a utilizar uma das muitas opera√ß√Ķes unit√°rias utilizadas em Engenharia Qu√≠mica.
A peneiração é uma operação que consiste na separação de partículas sólidas de diferentes tamanhos, através da utilização de peneiros ou crivos com diferentes aberturas de malha.
Na área de processos industriais, esta operação é utilizada para separar e caracterizar materiais sólidos, como matérias-primas ou produtos finais. Um exemplo de aplicação noutras áreas é a caracterização de solos.
O trabalho a desenvolver, envolve o planeamento e recolha de um conjunto de amostras de areia de uma praia da regi√£o de Lisboa. As amostras ser√£o levadas para o laborat√≥rio onde ser√£o caracterizadas individualmente atrav√©s de opera√ß√Ķes de peneira√ß√£o.
Os alunos aprenderão ainda a utilizar algumas ferramentas estatísticas no tratamento dos resultados.
A localiza√ß√£o dos pontos de recolha das amostras permitir√° concluir sobre varia√ß√Ķes de granulometria ao longo da linha de costa e em fun√ß√£o da dist√Ęncia √† linha de √°gua.

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: √Ātrio principal do ISEL - Junto da Cantina Hora: 9:00:00 AM
Pessoa de contacto: José Palmeira

Est√°gio j√° em curso / terminado

387. BIOPOL√ćMEROS: Extrac√ß√£o de Quitina a partir de cascas de crust√°ceos e sua convers√£o em Quitosana


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Responsável: Alexandra Costa/Patrícia Barata
N¬ļ Alunos: 2 Anos: 11¬ļ √Ārea: Biologia, Qu√≠mica
Data: de 05-07-2021 a 09-07-2021 Hor√°rio: Manh√£
Investigador(es): Alexandra Isabel Martins Paulo da Costa


Descrição: A quitina é um biopolímero linear presente nos exo-esqueletos dos crustáceos, insectos e nas paredes celulares de fungos, sendo depois da celulose, o polissacarídeo mais abundante na bioesfera.
Da desacetilação parcial da quitina é possível obter a quitosana, polissacarídeo constituído por copolímeros de glucosamina e N-acetilglucosamina.
As aplica√ß√Ķes deste biopol√≠mero t√™m tido um desenvolvimento relevante na √°rea farmac√™utica e biom√©dica. As suas caracter√≠sticas s√£o altamente atractivas, designadamente biodegrabilidade, biocompatibilidade, aus√™ncia de toxicidade, actividade antibacteriana, antif√ļngica, antiv√≠rica e poder hemost√°tico, assim como a capacidade de forma√ß√£o de membranas, tem despertado grande interesse na obten√ß√£o destes materiais.
O presente trabalho tem como objectivo utilizar cascas de crustáceos para extracção da quitina e sua posterior conversão em quitosana.
O isolamento da quitina envolve várias etapas, designadamente a desproteinização, a desmineralização e a despigmentação; a sua conversão em quitosana será realizada em meio básico e caracterizada por espectroscopia de infravermelho (FTIR).

Este estágio disponibiliza almoços

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: √Ātrio Principal do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Hora: 10:00:00 AM
Pessoa de contacto: Prof. Alexandra Costa

Est√°gio j√° em curso / terminado

392. Estudo do aumento da salinidade no Rio Tejo


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Respons√°vel: Manuel Matos
N¬ļ Alunos: 3 Anos: 10¬ļ, 11¬ļ, 12¬ļ √Ārea: Biologia, Qu√≠mica, F√≠sico-Qu√≠mica
Data: de 19-07-2021 a 23-07-2021 Hor√°rio: Manh√£ + Tarde
Investigador(es): Manuel Matos


Descrição: Nos rios que desaguam no mar é normal a mistura de água doce com água salgada na zona da foz. Temos o exemplo do Rio Tejo em que no seu estuário, a água tem praticamente a salinidade (teor de sal) da água do mar. Este efeito diminui à medida que nos afastamos da foz do rio e a água do rio apresenta as características de "água doce" alguns quilómetros a montante da foz.
O efeito da salinidade acentua-se com a diminuição dos caudais dos rios. Ou seja, quanto menor o caudal do rio mais a água do mar sobe no percurso do rio. Este efeito tem sido observado no Rio Tejo devido à diminuição do caudal deste rio. O aumento da salinidade da água do tem impacto nas culturas que diminuem a sua produtividade podendo mesmo secar. Este efeito é particularmente importante na zona da Lezíria em que a água do Rio Tejo é usada para a rega de grandes áreas de cultivo.
Neste trabalho estudaremos a evolução da salinidade do Rio Tejo entre Lisboa e Vila-Franca-de-Xira.
Ser√£o recolhidas amostras de √°gua do rio em v√°rios locais e ser√° medida a sua salinidade, pH e temperatura.
Ser√° elaborado um mapa de salinidade entre Lisboa e Vila-Franca-de-Xira.

Este estágio disponibiliza almoços

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: Entrada Principal, ISEL, R. Cons. Emidio Navarro, Lisboa Hora: 10:30:00 AM
Pessoa de contacto: Manuel Matos

Est√°gio j√° em curso / terminado

389. Extracção e Saponificação da Trimiristina da Noz-Moscada


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Responsável: Patrícia Alexandra Miranda David Barata
N¬ļ Alunos: 2 Anos: 11¬ļ √Ārea: Biologia, Qu√≠mica
Data: de 05-07-2021 a 09-07-2021 Hor√°rio: Manh√£
Investigador(es): Patrícia Alexandra Miranda Davis Barata


Descri√ß√£o: Os produtos naturais s√£o fonte de um grande n√ļmero de compostos biologicamente activos.
A trimiristina é um triglicérido do ácido mirístico, que como muitos outros ácidos gordos ocorre na natureza como um éster de glicerol, encontrando-se presente na noz-moscada (especiaria obtida do fruto da moscadeira (Myristica fragrans)).
√Č largamente utilizada como condimento na alimenta√ß√£o e tamb√©m na ind√ļstria da perfumaria e cosm√©tica, apresentando relevantes propriedades antioxidantes.
O presente trabalho tem como objectivo o isolamento da trimiristina presente na noz-moscada, por extracção sólido-líquido, sendo a recristalização a operação unitária utilizada para a purificação do produto extratado. A saponificação da trimiristina será posteriormente realizada em meio básico sob refluxo, conduzindo ao isolamento do ácido mirístico. A pureza dos produtos obtidos será avaliada por determinação do ponto de fusão (p.f.), cromatografia em camada fina (c.c.f.) e espectroscopia de infravermelho (FTIR).

Este estágio disponibiliza almoços

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: √Ātrio Principal do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Hora: 10:00:00 AM
Pessoa de contacto: Prof. Patrícia Barata

Est√°gio j√° em curso / terminado

391. O fantástico Mundo da proteína fluorescente verde!


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Respons√°vel: Magda Semedo
N¬ļ Alunos: 2 Anos: 10¬ļ, 12¬ļ √Ārea: Biologia, Ci√™ncias da Sa√ļde, Bioqu√≠mica, Biotecnologia
Data: de 12-07-2021 a 16-07-2021 Hor√°rio: Manh√£ + Tarde
Investigador(es): Magda Semedo/Sónia Martins


Descri√ß√£o: As prote√≠nas fluorescentes verdes t√™m fascinantes aplica√ß√Ķes na Medicina, na Biologia Celular e na Biotecnologia. Estas prote√≠nas podem ser utilizadas para iluminar outras prote√≠nas, pelo que t√™m sido utilizadas pelos cientistas como marcadores fluorescentes em c√©lulas vivas e em organismos.
O presente trabalho tem como objectivo a inserção numa estirpe de Escherichia coli do gene que codifica para a proteína fluorescente verde, isolado da medusa bioluminescente Aequorea victoria. Para o efeito, as células bacterianas são previamente preparadas para que possam incorporar DNA exógeno. Essas células, designadas por células competentes são transformadas com o vector de clonagem de genes, o plasmídeo pGLO. Após a transformação, a bactéria expressa o gene adquirido e produz a proteína fluorescente verde, que lhe confere a cor verde brilhante sob luz ultravioleta, característica das medusas. A Escherichia coli transformada é posteriormente inoculada em meio líquido e após o crescimento da cultura, as células são recolhidas e o plasmídeo pGLO isolado.

Este estágio disponibiliza almoços

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: √Ātrio Principal Hora: 9:30:00 AM
Pessoa de contacto: Magda Semedo

Est√°gio j√° em curso / terminado

384. Química no Duche


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Respons√°vel: Nelson Guerreiro Cortez Nunes
N¬ļ Alunos: 2 Anos: 10¬ļ, 11¬ļ, 12¬ļ √Ārea: Qu√≠mica, F√≠sico-Qu√≠mica
Data: de 19-07-2021 a 23-07-2021 Hor√°rio: Manh√£
Investigador(es): Nelson Guerreiro Cortez Nunes


Descri√ß√£o: Neste est√°gio propomos que fiques a conhecer algumas propriedades f√≠sico-qu√≠micas de produtos de uso di√°rio como champ√īs, gel de banho ou sabonete assim como poder√°s produzir alguns destes produtos.
Sabias que quando estás rodeado de espuma durante o banho a propriedade físico-química responsável chama-se tensão superficial?
E quando colocas champ√ī na cabe√ßa? Claro que n√£o desejas que ele escorra imediatamente, n√£o √©? A propriedade f√≠sico-qu√≠mica respons√°vel chama-se viscosidade!
Para que a tua pele não fique irritada na presença destes produtos é necessário que o pH seja adequado.
Vamos neste est√°gio tentar produzir alguns destes detergentes e ao mesmo tempo caracterizar e comparar as principais propriedades f√≠sico-qu√≠micas destes materiais com outros produtos comerciais como champ√īs e g√©is de banho.

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: √Ātrio do Edif√≠cio P do ISEL Hora: 10:00:00 AM
Pessoa de contacto: Nelson Nunes

Est√°gio j√° em curso / terminado

394. Remoção de poluentes de efluentes industriais por membranas poliméricas de acetato de celulose


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Responsável: Luís Miguel Minhalma
N¬ļ Alunos: 2 Anos: 10¬ļ, 11¬ļ, 12¬ļ √Ārea: Biologia, F√≠sica, Qu√≠mica, F√≠sico-Qu√≠mica, Tecnologia
Data: de 12-07-2021 a 16-07-2021 Hor√°rio: Tarde
Investigador(es): Luís Miguel Minhalma, Ana Sofia Figueiro


Descri√ß√£o: O est√°gio pretende dar a conhecer as Opera√ß√Ķes de Membranas, nomeadamente a opera√ß√£o de Ultrafiltra√ß√£o (UF), que s√£o tecnologias inovadoras utilizadas no tratamento de efluentes industriais e que permitem tornar os processos industriais mais "limpos".
O est√°gio ter√° cinco componentes: 1) descri√ß√£o dos processos de membranas, sua classifica√ß√£o e poss√≠veis aplica√ß√Ķes, 2) prepara√ß√£o de membranas de UF no laborat√≥rio, 3) caracteriza√ß√£o dessas mesmas membranas e 4) aplica√ß√£o das membranas de UF no tratamento de √°guas residuais provenientes da ind√ļstria do processamento da corti√ßa, tendo em vista a remo√ß√£o de poluentes e 5) an√°lise das diferentes correntes geradas no processo em termos de condutividade, carbono org√Ęnico total (COT) e cor.
No final do est√°gio os alunos realizam um poster, onde apresentam os resultados obtidos.

Este estágio disponibiliza almoços

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: Laboratório de Engenharia do Ambiente Hora: 2:00:00 PM
Pessoa de contacto: Miguel Minhalma

Est√°gio j√° em curso / terminado

388. Separação de Pigmentos Naturais por Cromotografia


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Responsável: Patrícia Alexandra Miranda David Barata
N¬ļ Alunos: 2 Anos: 11¬ļ √Ārea: Biologia, Qu√≠mica
Data: de 05-07-2021 a 09-07-2021 Hor√°rio: Manh√£
Investigador(es): Patrícia Alexandra Miranda David Barata


Descrição: O espinafre, a cenoura e a beterraba contêm uma mistura de pigmentos de onde se destacam as clorofilas (cor verde das plantas), o beta-caroteno (cor laranja nas cenouras) e a betanina, composto avermelhado presente na beterraba e apresentam extensa conjugação no espectro do ultravioleta-visível (UV-Vis).
Os pigmentos apolares s√£o insol√ļveis em √°gua, mas apresentam elevada solubilidade em solventes n√£o polares. O beta-caroteno √© um hidrocarboneto apolar, enquanto as clorofilas e a betanina exibem polaridade superior.
Uma t√©cnica √ļtil para a identifica√ß√£o e/ou separa√ß√£o destes pigmentos √© a cromatografia, a qual pode ser usada quer como m√©todo anal√≠tico (no qual se avalia o n√ļmero e a natureza dos componentes de uma mistura), quer como m√©todo preparativo (isolamento e subsequente quantifica√ß√£o dos componentes de uma mistura).
O presente trabalho tem como objetivo identificar os diferentes pigmentos por cromatografia em camada fina (c.c.f.) e proceder ao isolamento dos pigmentos maioritários (e.g. caroteno, clorofilas e betanina) por cromatografia em coluna (c.c.). A espectroscopia UV-Vis será o método instrumental utilizado para a caracterização dos pigmentos isolados.

Este estágio disponibiliza almoços

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: √Ātrio Principal do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Hora: 10:00:00 AM
Pessoa de contacto: Prof. Patrícia Barata

Est√°gio j√° em curso / terminado

393. Síntese de bioplásticos produzidos com polímeros naturais


Instituição: Centro de Estudos de Engenharia Química (CEEQ), Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Respons√°vel: Ana Catarina Cardoso de Sousa
N¬ļ Alunos: 4 Anos: 11¬ļ √Ārea: Qu√≠mica, F√≠sico-Qu√≠mica, Tecnologia
Data: de 05-07-2021 a 09-07-2021 Hor√°rio: Manh√£
Investigador(es): Ana Catarina Cardoso de Sousa


Descri√ß√£o: Este trabalho tem como objetivo a produ√ß√£o de diferentes biopl√°sticos obtidos a partir de amido e gelatina, ambas subst√Ęncias com origem em fontes renov√°veis. Como agentes plastificantes ser√£o utilizados o glicerol e o √≥leo de girassol, materiais biodegrad√°veis e de baixa toxicidade. Os filmes produzidos ser√£o analisados e comparados entre si no que se refere √† maleabilidade e resist√™ncia.

1¬ļ Dia de Est√°gio

Local de encontro: Laborat√≥rio de Qu√≠mica Inorg√Ęnica do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Hora: 10:00:00 AM
Pessoa de contacto: Ana Catarina Sousa

Est√°gio j√° em curso / terminado