Desafio 

 Polinizadores em ação

CONTRIBUA PARA A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

Junte-se a este desafio com os seus alunos e transforme a sua escola
num espaço amigo dos insetos polinizadores. 



CRIAR

Professores e alunos transformam a escola num espaço amigo dos insetos polinizadores.



Criação de hortas e canteiros, construção de hotéis de insetos, alteração dos jardins para ter mais plantas nativas em floração durante todo o ano...

MONITORIZAR

A biodiversidade da escola é observada e estudada pelos alunos.



Identificação e contagem de insetos, observação da interação entre insetos e plantas, avaliação do estado de vitalidade das novas plantas...

EXPLICAR

As dinâmicas planta-inseto são explicadas com o apoio de um/a investigador/a da área científica explorada.



Reunião de trabalho com o/a investigador/a, visita ao local de trabalho do/a investigador/a, palestra na escola...

COMUNICAR

Os resultados obtidos são partilhados com a escola e comunidade local, e divulgados na página da Ciência Viva.



Visitas guiadas, safari fotográfico, folhetos e cartazes, painéis interpretativos, artigos de divulgação científica...


POR QUE É QUE ESTE DESAFIO É IMPORTANTE?

Em Portugal existem mais de 1000 espécies de insetos polinizadores, entre abelhas, abelhões, vespas, moscas, borboletas, escaravelhos e formigas.

Mas estes pequenos animais estão a sofrer graves ameaças, como a urbanização e a fragmentação dos habitats, que reduzem a sua distribuição geográfica, a agricultura intensiva, que destrói os prados e recorre ao uso intensivo de pesticidas, e as alterações climáticas, com a subida das temperaturas e a dessincronização entre as épocas de floração e o ciclo de vida dos insetos.

Se os insetos polinizadores desaparecerem, a maioria das plantas não conseguirá reproduzir-se e acabará também por desaparecer.

Junte-se às escolas de todo o país que já estão a contribuir para a proteção dos insetos polinizadores e para a conservação da biodiversidade.



INSPIRE-SE NOS NOSSOS RECURSOS PARA TRABALHAR COM OS SEUS ALUNOS

CANTEIRO DE POLINIZADORES

Atividade de investigação

Os canteiros de plantas para atrair polinizadores aumentam a quantidade de espaços verdes na escola, onde os insetos poderão procurar alimento e abrigo. Caso existam relvados, é importante que a relva não seja cortada toda ao mesmo tempo, para haver sempre flores silvestres.

VER

HOTEL DE INSETOS

Atividade de investigação

Os hotéis de insetos promovem a diversidade destes seres vivos, uma vez que aumenta o número de abrigos disponíveis para estes pequenos animais. Devem ser colocados perto dos espaços verdes e dos canteiros de polinizadores, para beneficiar da disponibilidade de alimento nessa área.

VER

QUEM É O MEU PAR?                   

Jogo

Como é que as plantas conseguem atrair os animais para ajudarem na polinização? E os animais, estarão adaptados a tão importante tarefa? Esta atividade permite explorar as adaptações de alguns animais e plantas à polinização, permitindo uma eficaz reprodução das plantas.

VER

FICHA DENTE-DE-LEÃO

Planta em destaque

É uma espécie muito comum, sendo observada em habitats alterados pela ação humana, caminhos, terrenos baldios, prados e matas. Apesar de nem sempre precisar de polinizadores para se reproduzir, é importante para as abelhas-solitárias, que pernoitam no interior das flores que fecham ao final da tarde.

VER

FICHA COUVES        

Planta em destaque

As couves são muito comuns nas hortas. Derivam das couves-selvagens e foram selecionadas até obter as variedades atuais. As folhas servem de alimento aos seres humanos mas também aos polinizadores, como é o caso de algumas lagartas de borboleta. Já outras espécies preferem as suas flores, como as abelhas.

VER

CRISE CLIMÁTICA: BORBOLETAS

Artigo Público

As borboletas são insetos conhecidos po serem bons indicadores da qualidade dos habitats e muito sensíveis às alterações climáticas. Em Portugal estima-se que cerca de 10% das espécies de borboletas diurnas estejam em risco de extinção. Conheça aqui algumas das espécies diurnas comuns no nosso país.

VER

EU POLLINATORS INITIATIVE

Comunicado Comissão Europeia

Observa-se um declínio dramático na ocorrência e diversidade dos insetos polinizadores, o que trará graves problemas para os ecossistemas. Esta iniciativa pretende diminuir o ritmo dessa perda e reverter o processo, combatendo as ameaça e sensibilizando as comunidades para este problema.

VER

NESTING STRUCTURES

Artigo Journal of Insect Conservation

Os insetos encontram-se ameaçados pelo aumento da população humana e sua crescente urbanização. Contudo, a existência de áreas verdes com plantas com flor e a presença de determinadas estruturas, como os hotéis de insetos, podem ajudar a manter as populações de insetos na malha urbana.

VER

INSETOS PODEM DESAPARECER

Artigo Visão

Estudos indicam que mais de 40% das espécies de insetos estão em declínio e um terço já está mesmo em risco, ultrapassando a taxa de extinção dos vertebrados. A agricultura intensiva, uso massivo de pesticidas, aliadas às alterações climáticas e a urbanização de grandes áreas são as principais causas.

VER

AJUDAR OS POLINIZADORES

Artigo Wilder

Os insetos polinizadores estão a desaparecer e, em Portugal, não se sabe sequer ao certo quantas espécies de polinizadores existem. No entanto, estima-se que o número de polinizadores no nosso país seja superior a mil espécies. Dada a sua importância, conheça aqui algumas das ideias para os ajudar.

VER

ALECRIM                    

Planta em destaque

O alecrim é uma planta comum nas hortas e canteiros, sendo aromática e utilizada na culinária. É muito importante para os insetos polinizadores, pois tem um período de floração durante os meses de inverno, garantindo-lhes alimento. Como tal, utilize o alecrim para enriquecer o pátio da sua escola.

VER

SCIENCE IN SCHOOLS

Artigo Austral Ecology

A ciência cidadã nas escolas desempenha um importante papel na educação, envolvendo os alunos nos processos científicos. Este projeto centrou-se numa investigação sobre os habitats dos insetos polinizadores em meios urbanos, com a participação de crianças em idade escolar neste importante problema de conservação.

VER

PUBLIC BUTTERFLY COUNT

Artigo BBC News

Em Inglaterra, durante duas semanas, os cidadãos foram convidados a passar 15 minutos num ponto ao sol e registar quantas das 21 espécies comuns de borboletas conseguiam observar. Com esta participação generalizada foi possível juntar dados suficientes para avaliar o estado de conservação das zonas rurais.

VER

CAR “SPLATOMETER”

Artigo The Guardian

Estudos científicos realizados na Dinamarca e no Reino Unido, realizados entre 1997 e 2017, revelaram um enorme declínio na abundância de insetos na Europa. Este estudo teve por base a análise dos insetos que colidiram com os vidros dos automóveis, apresentando um declínio de abundância na ordem dos 80%.

VER

YOUNG CITIZEN SCIENTISTS

Artigo BBC News

Cerca de 30 mil pequenos cientistas no Reino Unido descobriram que uma pequena concentração de alfazemas em canteiros nas cidades apresentam mais visitas de abelhões do que as mesmas plantas em zonas rurais. Esta diferença estará provavelmente relacionada com os poucos recursos florais existentes.

VER

PARAGENS DE AUTOCARRO

Artigo Público

A cidade holandesa de Utrecht decidiu remodelar as suas paragens de autocarro incluindo coberturas verdes. Deste modo, além de melhorarem a qualidade do ar, estas coberturas servem como santuário para as abelhas e outros insetos polinizadores, ajudando a preservar a biodiversidade.

VER

ARTIFICIAL LIGHT                  

Artigo BBC News

Investigadores descobriram uma nova ameaça à polinização: a luz artificial durante a noite. Estas luzes “distraem” os insetos polinizadores noturnos, reduzindo as visitas às flores em cerca de 62%. Estas mudanças comportamentais têm um grande impacto na reprodução das plantas.

VER

INSETOS PARA PROCURAR

Artigo Wilder

Estima-se que, em Portugal, existam mais de mil espécies de insetos polinizadores. Com a ajuda do entomólogo e conservacionista inglês Dave Goulson, e com as ilustrações apresentadas, fique a conhecer algumas das espécies mais fáceis de identificar no nosso país.

VER

 

O QUE É A POLINIZAÇÃO?

Para se reproduzirem, as plantas com flor precisam de transferir os grãos de pólen dos estames (órgãos masculinos) para os carpelos (órgãos femininos, onde se encontram os óvulos), e desta forma produzir sementes que irão dar origem a novas plantas.

O transporte de pólen de flor para flor pode ser feito através do vento ou até mesmo da água, mas cerca de 90% de todas as plantas com flor precisam da ajuda de insetos para se reproduzirem, o que inclui não apenas as plantas dos ecossistemas naturais mas também das culturas agrícolas. Esta relação entre plantas e insetos é benéfica para ambos: para que o pólen possa viajar de flor para flor com a ajuda dos insetos, estes recebem como recompensa um saboroso e nutritivo néctar produzido pelas plantas. As abelhas dependem ainda mais da polinização do que os outros insetos, pois as suas larvas alimentam-se exclusivamente de pólen. Talvez por isso as abelhas sejam responsáveis por cerca de 80% de toda a polinização feita por insetos.

Fique a conhecer com mais detalhe a importância dos insetos polinizadores, as ameaças a que estão expostos, e o que fazer para promover a sua conservação.

Abelha

Apis mellifera

Prefere flores brancas, azuis, lilases e amarelas. Necessita de uma plataforma de aterragem ou pétalas grandes, muitas vezes com guias até ao néctar.

Abelha-solitária

Panurgus sp.

Está dependente de plantas da família Asteraceae, tal como os dentes-de-leão, e pode pernoitar no interior das flores que fecham ao final da tarde.

Abelhão

Bombus sp.

Importante polinizador, robusto, peludo e com uma longa probóscide (semelhante a uma tromba). Há plantas que são polinizadas apenas por este inseto.

Mosca-das-flores-comum

Episyrphus balteatus

Poliniza flores abertas, largas, com espaço para pousar e com néctar de fácil acesso. Emita as vespas e as abelhas para afastar predadores.

Cauda-de-andorinha

Papilio machaon

Prefere flores de cores vivas e em forma de tubo. Necessita de uma “plataforma” horizontal para pousar, já que permanece quieta enquanto suga o néctar das flores.

Escaravelho-das-flores

Oxythyrea funesta

Gosta de flores grandes e abertas, e não necessita de pistas de aterragem. Alimenta-se de grãos de pólen e de partes das flores.

 



Junte-se às escolas de todo o país que já estão a contribuir para a proteção dos insetos polinizadores e para a conservação da biodiversidade.

Como podem contribuir:

  • Criar uma horta
  • Construir um canteiro de polinizadores
  • Aumentar o número de espécies de plantas nativas nos canteiros ou hortas já existentes
  • Preparar sementeiras para transplantes futuros na horta ou no canteiro
  • Deixar algumas plantas da horta dar flor e completar o seu ciclo de vida
  • Construir hotéis de insetos
  • Nas zonas relvadas, não cortar a relva toda ao mesmo tempo, para ter sempre flores silvestres na escola
  • Sensibilizar os colegas e a comunidade para a importância dos insetos polinizadores



FIQUE A CONHECER O TRABALHO QUE AS ESCOLAS ESTÃO A DESENVOLVER, UM POUCO POR TODO O PAÍS, PARA PROMOVER A CONSERVAÇÃO DOS INSETOS POLINIZADORES.




PARTILHE TAMBEM O TRABALHO DA SUA ESCOLA. TIRE UMA FOTOGRAFIA E ENVIE-NOS.




 

COMISSÃO CIENTÍFICA

David Avelar, Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

José Grosso-Silva, Museu de História Natural e da Ciência, Universidade do Porto

César Garcia, Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Universidade de Lisboa

 

PARTILHE