Desafios
 

O DESAFIO

Estimule o envolvimento dos alunos na valorização dos recursos aquáticos e na consciencialização para a conservação da sua biodiversidade

IDENTIFICAR

Os professores e os alunos analisam e identificam os habitats aquáticos e a biodiversidade que deles depende.



Identificação de habitats aquáticos (naturais e artificiais), identificação de espécies de flora e fauna no espaço escolar (dentro e fora da escola)...

INVESTIGAR

A natureza da dependência das diferentes espécies de recursos aquáticos é investigada pelos alunos.



Observação do comportamento dos animais, pesquisa de informação (livros, internet...), reunião de trabalho com um especialista, visita ao local de trabalho de investigadores, palestra na escola...

CRIAR

São criadas estratégias de sensibilização e divulgação para consciencializar a comunidade local para a conservação dos ambientes aquáticos.



Cartões de registo identificativo de cada espécie, recursos audiovisuais, peças de teatro, música, folhetos desdobráveis, painéis informativos...

COMUNICAR

Os resultados obtidos são partilhados com a escola e comunidade local, e divulgados na página da Ciência Viva.



Visitas guiadas, ações de sensibilização, folhetos, pósteres, painéis informativos, artigos de divulgação, exibição de vídeos, documentários (no local), fotografias dos diferentes habitats aquáticos, cartões identificativos das espécies marinhas e dulçaquícolas (na página da Academia Ciência Viva para Professores - Planeta Água)...

PORQUÊ ESTE DESAFIO?

 

Por todo o mundo, os recursos hídricos e a sua biodiversidade estão ameaçados devido à ação humana.

Em Portugal, o oceano, os lagos, os rios e as ribeiras estão sob pressão em consequência da poluição, das alterações climáticas e/ou da sobre-exploração. Esta última é mais marcante, sobretudo nos rios e reservatórios de água doce, pelos serviços ambientais que estes prestam e pela importante biodiversidade que albergam, muitas vezes representada por espécies únicas na Península Ibérica.

É imperativo valorizar os recursos aquáticos (marinhos e dulçaquícolas), envolvendo as novas gerações e consciencializando-as para a preservação e conservação dos ambientes que servem de habitat à maior parte dos seres vivos do Planeta.

 

MOTIVE OS SEUS ALUNOS ATRAVÉS DOS RECURSOS DA ACADEMIA

CADEIAS TRÓFICAS
AQUÁTICAS

Na natureza, todos os animais dependem uns dos outros, relacionando-se de variadíssimas maneiras. Neste jogo de blocos, de madeira, empilháveis encontramos uma forma divertida de explorar a relação entre os diferentes níveis tróficos de várias cadeias alimentares aquáticas e o impacto (benéfico e/ou prejudicial) do ser humanos nas relações que se estabelecem entre organismos de diferentes espécies.

VER

A IDADE
DOS PEIXES

À semelhança da dendocronologia também as estruturas calcificadas dos peixes registam as estações do ano que estes já viveram, permitindo a determinação direta da sua idade. As escamas são as mais utilizadas na determinação da idade dos peixes, tendo a vantagem de poderem ser removidas sem que se tenha que proceder ao seu sacrifício, o que não acontece com muitas das outras estruturas (otólitos, ossos, …).

VER

DESCOBERTA DA VIDA NAS POÇAS DE MARÉ

À medida que a maré vai baixando, ficam à vista a areia e as rochas que estavam debaixo de água. Assim se forma uma área “entre-marés”, designada de intertidal. Quando esta área é rochosa, a água do mar fica retida em pequenas cavidades, formando poças de maré. Alguns animais mais “atrevidos” deslocam-se entre poças, mas os que vivem agarrados às rochas e não têm grande mobilidade (mexilhões, lapas, anémonas) ficam presos lá dentro.

VER

COMISSÃO CIENTÍFICA


Carla Sousa Santos, Bacias Hidrográficas, MARE-ISPA

Ana Faria, Sistemas Costeiros e Oceano, MARE-ISPA

HÁ VIDA NA ÁGUA: ONDE?


Fique a conhecer as escolas que, um pouco por todo o país, já aceitaram o desafio de consciencializar a comunidade para a conservação dos recursos aquáticos e da sua biodiversidade.

 




Descarregar o resumo do desafio (pdf)




PARTILHE