Login

[ Imprimir ]
A Ciência e o Espaço

Massa tem semelhanças com a de Urano

Catarina Cristão

Público, 25-08-2004


Equipa liderada por português descobre pequeno planeta extra-solar

Uma equipa europeia de 16 astrónomos liderada pelo português Nuno Cardoso Santos, do Observatório Astronómico de Lisboa, descobriu o mais pequeno planeta fora do sistema solar alguma vez detectado.

Para o investigador português, o novo planeta extra-solar (ou exoplaneta) - que orbita em redor de uma estrela que não o Sol - é uma espécie de super-Terra.

"Até agora foram descobertos mais de cem planetas gigantes, semelhantes a Júpiter, noutros sistemas solares. Este é um pouco mais parecido com a Terra. Apesar de ter 14 vezes mais massa, é um planeta terrestre, rochoso, e não gasoso, o que é um salto muito grande", contou Nuno Cardoso Santos à agência Lusa.

A massa do novo planeta tem semelhanças com a de Urano, o mais pequeno dos planetas gigantes (gelados) do sistema solar.

No entanto, é muito provável que os dois corpos sejam muito diferentes, dada a distância a que cada um se encontra da sua estrela, o que tem consequências fundamentais na formação e estrutura de cada um, sustenta.

Nuno Cardoso Santos adiantou que a nova descoberta poderá contribuir para "compreender como se formam os planetas" e ainda perceber como surgiu a vida, até porque "a vida só é possível num planeta terrestre".

O novo planeta extra-solar orbita a estrela mu Arae (a 50 anos-luz do Sol e com brilho suficiente para ser observada a olho nu), localizada na constelação do Altar, e completa o ciclo em torno da sua estrela em 9,5 dias terrestres.

Este é o segundo planeta a ser descoberto em volta desta estrela, sendo que o primeiro tem dimensões semelhantes a Júpiter e completa a sua órbita em 650 dias terrestres.

A descoberta foi possível graças ao rigor do espectrógrafo HARPS, do telescópio de 3,6 metros do Observatório de La Silla, no Chile, que pertence ao Observatório Europeu do Sul (ESO).
O equipamento permite a medição das velocidades radiais com uma precisão superior a um metro por segundo.

Da equipa liderada por Nuno Santos faziam parte astrónomos de laboratórios e observatórios franceses e suíços.

Em Maio, foi anunciada uma outra descoberta com a participação que Nuno Cardoso Santos, pós-doutorando no Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa/Observatório Astronómico de Lisboa.

Nessa altura, integrado numa equipa europeia, o português descobriu dois novos planetas fora do sistema solar, um deles a seis mil anos-luz da Terra.

Os dois planetas ficam na mesma galáxia que o Sol, giram em volta de estrelas idênticas e são de grande dimensão, semelhante a Júpiter, o maior planeta do sistema solar.

[ Imprimir ]