Paleontologia no Cabo Espichel

Instituto Superior Técnico, Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores

O objectivo principal deste estágio, realizado em 2008, no Tagus park, foi motivar os jovens para vários aspectos da Física, da Química e, em especial, das suas aplicações na Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Considerraam-se os seguintes tópicos: microprocessadores, programação, páginas web wiki, sensores e actuadores, sistemas embebidos, novas formas de produzir, armazenar e transformar energia eléctrica (células fotovoltaicas, pilhas de hidrogénio, pilhas electroquímicas e ultra condensadores), campos electromagnéticos e seu uso nas comunicações via rádio nas redes de sensores e nos sistemas de guiamento electrónico.

Astrofísica Observacional

O Observatório Astronómico de Lisboa proporciona aos alunos a possibilidade de trabalharem durante três dias inteiros com os professores/investigadores, na obtenção e processamento de imagem digital, além de lhes facultar a aprendizagem dos conceitos fundamentais da astrofísica associados ao sol, estrelas, nebulosas e galáxias e ainda participarem do ambiente científico do Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa, um centro com muito experiência em observação astronómica avançada.

Prospecções e Escavações Arqueológicas

Actividades de investigação de campo na área de arqueologia, na zona do Cabo Espichel. Pretende-se que os jovens participem activamente nestes trabalhos de investigação e que incluem realização de escavações arqueológicas, identificação de estratigrafia com materiais arqueológicos associados, prospecções arqueológicas e georeferenciação dos achados e desenho de perfis estratigráficos.

Ciência Viva, o fascínio da descoberta

Ocupação Científica de Jovens Férias - Gastronomia Molecular

Como é o esqueleto dos organismos?

No Centro de Ciências do Mar do Algarve, em 2008, os participantes aprenderam a distinguir e caracterizar o esqueleto de diversos organismos. Para tal, irão utilizar várias metodologias, como é o caso da “Coloração”, “whole mount”, “TAC”, “photoshop” e quantificação de peso humido, peso seco, cinzas, cálcio e fósforo.

Ocupação Científica de Jovens Férias

NA PELE DE UM CIENTISTA

- Carlos Ribeiro, 11º A -

Ciência Viva nos Laboratórios do CNC – Coimbra

Convite Público à Apresentação de Propostas

Área do Responsável Área do Investigador

Com o programa Ciência Viva no Laboratório as instituições científicas portuguesas têm sido um elemento chave na formação da nova geração de investigadores em Portugal. Ao acolher estudantes do ensino secundário durante as férias de Verão, a comunidade científica proporciona uma oportunidade única de contacto com o trabalho científico num período fundamental para a escolha das suas carreiras e projectos de vida.

Ao longo das últimas duas décadas as iniciativas Ciência Viva têm demonstrado que a colaboração das instituições científicas é insubstituível na promoção da cultura científica.

Milhares de jovens aprenderam ciência e tiveram um contacto próximo com a investigação científica; muitos optaram depois por seguir carreiras científicas em Portugal ou no estrangeiro.

Deste modo, a Ciência Viva lança um Convite Público à Apresentação de Propostas dirigido a todas as unidades de investigação reconhecidas pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

A Ciência Viva apoia financeiramente as instituições participantes com verbas para despesas necessárias para a realização das actividades previstas no estágio, refeições e alojamento para os alunos deslocados da sua área de residência.





Como participar

COMEÇAR CEDO - Programa piloto

É objetivo da União Europeia até 2030 impulsionar o seu crescimento e competitividade através de uma educação científica inovadora, que permita aos Europeus fazer escolhas informadas, promovendo a democratização do Conhecimento, da Cultura Científica e Tecnológica e da Literacia Digital.

A digitalização do mercado de trabalho exige capacidade e competências renovadas, sendo por isso fundamental que os adolescentes sejam capazes de responder a estas necessidades das sociedades modernas. Em Portugal, o final do 3º ciclo representa para muitos uma altura de escolhas complexas, nomeadamente com a eleição das áreas vocacionais.

Como tal a Ciência Viva no Laboratório apresenta este ano um projeto especial dedicado aos alunos dos 8º e 9º anos - o programa COMEÇAR CEDO, estágios nas áreas das tecnologias digitais.

O programa não esquece também o importante contexto da vida em sociedade na promoção dos direitos e paridade de género.

Os núcleos de I&D são convidados a considerar o equilíbrio nos processos de aceitação de candidatos, reforçando a preponderância da dimensão do género, se possível obedecendo a cotas de inscrição de 1 rapaz para 1 rapariga.

Em toda a iniciativa é pretendido que exista uma aproximação à realidade da investigação científica, adequada em linguagem e sentido à idade dos participantes. A disseminação ativa é importante e o contributo de mentoras ou role models de especialistas do sexo feminino deve ser, se possível, encorajado.





Para apresentar a sua proposta carregue AQUI

Mais informações

COMO PARTICIPAR

Guião de Apoio às Unidades de Investigação - Fase 1

Este ano a Ciência Viva no Laboratório decorre entre dias 25 de Junho e 31 de Agosto.


Para uma divulgação adequada do programa e consequente adesão por parte dos alunos, as propostas de estágios devem ser inseridas até ao dia 8 de Maio.


Documentos de apoio


Estágios

  • Duração mínima de 1 a 2 semanas.
  • Cada estágio deverá ter o acompanhamento de um investigador por cada 2 a 4 alunos.
  • A actividade a desenvolver pelos alunos deverá aproximar-se o mais possível da investigação científica realizada no laboratório de acolhimento.
  • O título e descrição do estágio deverão ser claros e apelativos.
  • O estágio não poderá estar enquadrado em quaisquer outros programas promovidos pela entidade de acolhimento para o mesmo público-alvo.

Submissão de candidaturas online


Existem duas áreas de acesso ao formulário de candidatura:
  • Área do Responsável - para introdução de informação pelo coordenador do programa de estágios na instituição
  • preenchimento do formulário Caracterização da Entidade
  • preenchimento do formulário Proposta Financeira (caso seja necessário financiamento para a realização dos estágios)
  • validação dos estágios, após preenchimento pelos investigadores
  • Área do Investigador - para introdução dos dados sobre os estágios pelos investigadores. Após preenchimento do formulário, escolher a opção Status: Completo.

Despesas elegíveis

  • Despesas estritamente necessárias para a realização das actividades previstas no estágio.
  • Refeições para os alunos, preferencialmente nas instalações da entidade de acolhimento.
  • Alojamento para os alunos deslocados (pousadas da juventude, residências universitárias e similares).

Candidaturas - Área do Responsável Candidaturas - Área do Investigador

O que é a Ciência Viva no Laboratório

Em convergência com os princípios de promoção do ensino experimental das ciências e de atracção dos jovens para carreiras de natureza científica, a Ciência Viva dinamiza, desde 1997, um programa de estágios de jovens do ensino secundário em laboratórios e instituições de investigação científica.

A Ciência Viva no Laboratório desenrola-se durante o período de férias escolares de Verão para permitir aos alunos uma aproximação prolongada e efectiva à realidade do trabalho de investigação científica.





Os traços mais comuns da Ciência Viva no Laboratório são:

  • grupos de 2 a 4 estudantes, em média, para cada estágio
  • acompanhamento por investigadores seniores, doutorados e post-docs
  • participação nos projectos de investigação em curso nas instituições, em termos adequados ao perfil e conhecimentos dos estudantes
  • foco no trabalho prático, sempre integrado nas rotinas de organização social da produção científica, da sua linguagem e instrumentos
  • estágios com uma duração média de 2 semanas