Grande Prémio Ciência Viva Montepio 2018

Teresa Lago


Teresa Lago nasceu em Lisboa e foi viver para Angola com 1 ano de idade. Com 17 anos veio para o Porto e ingressou na universidade, onde começou por estudar Matemática. O apelo da Astronomia levou-a a avançar para engenharia geográfica e, após uma passagem por uma escola de Verão no Observatório Real de Greenwich, decidiu ir para Inglaterra estudar Astrofísica. Doutorou-se em 1979 na Universidade de Sussex.


Para além do trabalho de investigação sobre estrelas de formação recente e estados iniciais da sua evolução, lançou as bases para o ensino e a investigação da Astronomia em Portugal. Em 1983 cria a primeira licenciatura em Astronomia do país, na Universidade do Porto. Em 1987 delineou o "Plano Nacional para o Desenvolvimento da Astronomia", a pedido da JNICT, e em 1988 preparou a candidatura de Portugal ao ESO, Observatório Europeu do Sul, sendo membro do respetivo Conselho. Segue-se em 1988 o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, primeiro centro de investigação nesta área no país, que dirigiu durante 18 anos e entre 2003 e 2010 o Programa Doutoral de Astronomia.


Teresa Lago recebeu o prémio "Henri Chrétien" da American Astronomical Society em 1985, é membro associado da Royal Astronomical Society desde 1990 e faz parte da Academia Europeia desde 1992. Integrou diferentes "Advisory Boards" internacionais, destacando-se o da Comissão Europeia entre 1996 e 1999 ou o Space Science Advisory Committee da Agência Espacial Europeia entre 2000 e 2003. Atualmente pertence ao Advisory Board da School of Physics Sciences de Dublin, Irlanda, do Institut Universitaire de France, da Agence Nationale de la Recherche (França) e da Alexander von Humboldt Foundation (Alemanha). É membro fundador do Conselho Científico do "European Research Council" onde coordena o “ERC Gender Balance Working Group”.


A participação cívica e política tem sido também uma presença ao longo da vida. Foi Presidente da Sociedade "Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura" entre 1999 e 2002. Foi deputada da Assembleia Municipal do Porto e da Assembleia Metropolitana do Porto, eleita como independente na lista do PS (2009–2013).


Para Teresa Lago a educação e a promoção da cultura científica sempre seguiram em paralelo com o trabalho de investigação, realizando palestras públicas e participando em sessões de divulgação para as escolas. Em 1996 preparou o projeto para o Planetário do Porto, como parceria entre a Universidade do Porto, a Câmara Municipal do Porto e o Ministério da Ciência e Tecnologia e lançou as bases de um programa alargado de divulgação da Astronomia com a equipa do CAUP. O Planetário do Porto viria a abrir as portas em 1998 e é hoje um membro da Rede de Centros Ciência Viva, celebrando 20 anos neste ano de 2018, no Dia Nacional da Cultura Científica.


Teresa Lago foi recentemente eleita secretária-geral da União Astronómica Internacional (UAI) e vai estar à frente desta organização internacional até 2021. Fundada em 1919, a UAI tem como missão promover a divulgação e a investigação em astronomia, através da cooperação internacional. É também a entidade que reconhece oficialmente a atribuição de um nome a um corpo celeste, como um planeta ou um asteroide, de particular relevo numa época em que a exploração espacial traz novos mundos ao mundo a cada dia que passa.


Com o apoio da Associação Mutualista Montepio 

 

 

 

 

 

 

Voltar