Canhões

Canhões Submarinos


Aspectos Gerais

Marta C. F. Entradas
CREMINER, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Campo Grande, Lisboa

Os canhões submarinos são vales cavados nas Margens continentais que servem de condutas dos sedimentos terrígenos dos continentes para locais profundos dos oceanos. Apresentam uma forma típica em V, com gargantas estreitas e vertentes muito inclinadas, são bastante sinuosos e possuem degraus, os típicos terraços. Foram formados no passado, mantendo, muitos deles, uma actividade dinâmica com capacidade erosiva até ao presente.

Os canhões submarinos variam consideravelmente em tamanho. Foi estimado um comprimento médio de 50 km e, muito embora a maioria tenha poucas milhas de comprimento, existem alguns com cerca de 200 a 300 km de extensão, tendo o mais comprido até hoje descoberto cerca de 442 km. Estes vales atingem grandes profundidades no fundo marinho, muitas vezes acima dos 3000 m de profundidade (Francis Shepard, 1978).

A formação dos canhões submarinos tem sido muito debatida e grande número de mecanismos tem sido proposto para explicar a sua origem e manutenção. Embora várias controvérsias entre teorias opostas tenham prevalecido durante muitos anos, duas teorias foram estabelecidas para explicar a sua origem:
(1) os canhões submarinos foram cavados por rios que avançaram ao longo da plataforma continental, numa época em que o nível do mar se encontrava mais baixo do que actualmente - a presença de muitos canhões próximos da foz de grandes rios corrobora esta teoria;
(2) a presença de canhões longe da linha de costa pressupõe que os canhões submarinos foram cavados por correntes densas com grande capacidade erosiva - correntes turbidíticas, que transportam materiais finos, suspensos, a grandes velocidades. Estas correntes podem atingir várias dezenas de quilómetros por hora no talude continental, algumas atingem uma velocidade superior a 90 km/h transportando mais de 300 kg/m3, que decresce à medida que avançam rumo às planícies abissais (Brown et al. 1989).

As correntes turbidíticas, originadas pela queda de material instável acumulado no topo do talude continental, são os mais importantes meios através dos quais os sedimentos são transportados da plataforma continental, ao longo do talude continental, para o oceano profundo, contribuindo para a formação e crescimento dos leques submarinos (Fig.1), que podem atingir dezenas a centenas de quilómetros. São também os mais importantes processos submarinos que têm mantido os canhões abertos e activos ao longo dos anos.


Diversidade morfológica das margens continentais evidenciando um canhão submarino e respectivo leque de sedimentos (Adaptado de Blondel in Wefer G. et al., Ocean Margin Systems, 2003).


Sobre os Canhões Submarinos na Margem Portuguesa e Margem Sul Espanhola
Pedro Terrinha

Importância e Objectivos dos Estudos Biológicos no Canhão de Portimão
Teresa Cerveira Borges

Justificação para os estudos arqueológicos no canhão de Portimão



Voltar