Atlas de Lopo Homem

 

 



ATLAS DE LOPO HOMEM



Com o início das viagens marítimas sem terra à vista, as técnica de navegação costeira (por rumo e estima) deixaram de ser convenientes. Foi necessário começar a observar as estrelas à noite e o Sol de dia para, através dos cálculos, adquirir os dados necessários a uma orientação eficiente.
Assim foi iniciada a navegação oceânica ou astronómica e com ela surgiu um novo tipo carta náutica que continha informações relativas às condições de navegação.
Incluía os dados relativos às latitudes de importantes lugares nas costas marítimas, dos portos, baías e cabos, os dados das distâncias, dos rumos e valores da declinação do sol.
Descrevia igualmente o regime dos ventos e correntes dos oceanos e recomendava os ancoradouros mais convenientes.
Em comparação com o roteiro tradicional, o novo não descrevia as costas inteiras mas apenas as partes ao longo das quais a navegação se realizou.
Podia também recomendar a altura mais conveniente para a navegação ou o curso diferente em relação com os ventos e correntes diferentes ao longo do ano.1)
Na Biblioteca Nacional de Paris encontra-se uma colecção de mapas conhecida como "Atlas de Miller". A pesar do nome , os mapas são de origem portuguesa, podendo ser atribuídos a Lopo Homem, cartógrafo oficial do Reino nas primeiras décadas do século XVI (1519).


Enquadramento pedagógico:

Saber orientar-se:
ler e construir mapas, usar e construir bússolas, realizar actividades de corrida e orientação.

Noção de latitude e longitude:
explorar o Kit latitude longitude (construir instrumentos de medida, realizar actividades simples de medição)



Voltar