Qual é o livro de divulgação de ciência que sugere? Partilhe  
Rosalia Vargas

Presidente da Agência Ciência Viva

livro

Biografia

É Presidente da Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica – Ciência Viva e Directora do Pavilhão do Conhecimento – Centro Ciência Viva. Desde 1996 tendo vindo a coordenar a criação da rede de Centros Ciência Viva em todo o país, que conta actualmente com 20 espaços de moderna museologia científica. Foi Presidente (2013-2015) do ECSITE – European Network of Science Centres and Museums, com sede em Bruxelas, e é membro do board do ASTC – Association of Science-Technology Centers, com sede em Washington DC. O seu desenvolvimento académico e profissional cobre áreas da educação, media, governança política e cultura científica e tecnológica. Foi vereadora da Educação, Juventude e Cultura da Câmara Municipal de Lisboa (2007-2009), é membro do Conselho Nacional de Educação, membro do Conselho Geral da Universidade Aberta, membro do Steering Committee of EMME – Euro-Mediterranean and Middle East Science education project, membro da Comissão Consultiva do Programa Gilead GÉNESE.

PARTILHE

            

As suas Recomendações

O Século Primeiro depois de Beatriz | Comentário:

Escritor e jornalista libanês, Amin Maalouf nasceu em 1949, em Beirute. Grande conhecedor da natureza humana e de territórios culturais e políticos, no livro O Século Primeiro Depois de Beatriz aborda uma trama que se desenrola no Oriente e se estende pela Europa. Talvez umas favas misteriosas favoreçam nascimentos masculinos e assiste-se a um grande desequilíbrio na natalidade e também nas geografias norte-sul. É muito interessante o diálogo entre dois cientistas, antecipando o encontro com a jornalista, muito simbólico da velha questão da divulgação científica: “Estás a ver, caro colega, (…) nunca sabes que inépcias ele porá na tua boca no dia seguinte. Onde tu disseste “acrídios em fase gregária” ele faz-te dizer “uma nuvem de gafanhotos”. “Não o diria a estudantes de entomologia. Mas ao grande público, por que não?” “…Pois bem, força, di-lo! Há uma jornalista que vem procurar-me às onze horas, vou mandá-la ter contigo.” “Foi assim que Clarence entrou na minha vida, às onze horas e três minutos”..

livro