Ciência Viva no Laboratório - OCJF

Ocupação Científica de Jovens nas Férias 2016


 
 

Listar Estágios Listar Instituições Listar Áreas Geográficas Listar Área Científica



Ver estágios com vagas

Resultados da pesquisa

1. O solo - Um mundo microbiano que os nossos olhos não podem ver! - COMPLETO
Instituição: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I. P. – INIAV - Oeiras
Responsável: Paula Sá Pereira
Nº Alunos: 2      Anos: 10º/11º/12º      Área Biologia/Bioquímica
Data: de 04-07-2016 a 08-07-2016      Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Camila Fernandes
Descrição: O solo é maior reservatório de microrganismos do planeta, que direta ou indiretamente recebe todos os dejetos dos seres vivos. É local de transformação da matéria orgânica em substâncias nutritivas que alimentam as plantas. Muitos desses microrganismos não são cultivaveis em laboratório, e só por tecnicas avançadas de biologia molecular os conseguimos identificar e saber quais as sua funcionalidades. É esta a nossa proposta, queres descobrir alguns destes microorganismos ?
Como vamos fazer:
a) Boas práticas num Laboratório de Biologia Molecular.
b) Extracção e quantificação de ADN de amostras de água.
c) Electroforese em gel de agarose.
d) PCR (reacção da polimerase em cadeia).
e) Transformação genética de bactérias.
b) Isolamento de plasmídeos recombinantes.
f) Análise de sequências de ADN (Bases de dados).

Esperamos que seja aliciante o que vos propomos, cá vos esperamos !!


Observações: Trazer bata, caderno de laboratório A5 com capa dura, marcador de acetato.
Os grupos apresentam um resumo dos resultados do estágio, através de apresentação multimedia, e logotipo representativo do estágio.
O estágio inclui a oferta de almoço na cantina do campus.
Não é subsidiado alojamento.


1º dia de estágio
Local de encontro: INIAV: Ex-estação Agronómica, no Ediicio Florestal (ao pé do ITQB)    Hora: 10:00
Pessoa de contacto: Paula Sá Pereira
[Estágios nesta instituição]




2. Oliveiras portuguesas - mãe há só uma?
Instituição: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I. P. – INIAV - Oeiras
Responsável: Joana Bagoin Guimarães
Nº Alunos: 2      Anos: 10º/11º/12º      Área Biologia/Bioquímica
Data: de 04-07-2016 a 08-07-2016      Horário: Manhã + Tarde
Descrição: Em Portugal existem várias variedades cultivadas de oliveira (Olea europea sp.) que se distinguem pela sua morfologia ou outras características. Mas que história têm estas oliveiras? Sabemos que desde sempre foram utilizadas para a produção de azeite e são particularmente importantes na economia da zona mediterrânica. Mas qual a sua origem? Com quem partilham material genético? Como podemos conservar as nossas variedades e melhorá-las?
Neste estágio vamos utilizar marcadores moleculares para investigar a origem materna das oliveiras, estudando uma pequena porção do ADN cloroplastidial. Vamos extrair ADN, amplificar fragmentos de ADN por técnicas de PCR e determinar a sequência desses fragmentos para podermos avaliar se temos diferentes origens maternais. O resumo dos resultados do estágio do grupo será apresentado da elaboração de apresentação multimédia.

Observações: Trazer bata, caderno de laboratório A5 com capa dura, marcador de acetato.
Não é subsidiado alojamento.
Os grupos apresentam um resumo dos resultados do estágio, através de apresentação multimedia, poster virtual e logotipo representativo do estágio.
O estágio inclui a oferta de almoço na cantina do campus.

1º dia de estágio
Local de encontro: INIAV Oeiras    Hora: 10:00
Pessoa de contacto: Paula Sá Pereira
[Estágios nesta instituição]

Estágio já em curso / terminado



3. Biologia forense – Por onde anda o lobo? - COMPLETO
Instituição: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I. P. – INIAV - Oeiras
Responsável: Diogo Mendonça
Nº Alunos: 2      Anos: 10º/11º/12º      Área Biologia/Bioquímica
Data: de 04-07-2016 a 08-07-2016      Horário: Manhã + Tarde
Investigador(es): Carla Borges
Descrição: O lobo ibérico é uma espécie protegida em Portugal porque o seu número de efetivos é muito baixo. Embora o seu habitat esteja predominantemente afastado da espécie humana, flagelos como os fogos florestais e a diminuição de presas selvagens em floresta, impelem o lobo para zonas rurais, onde existe alimento disponível e verificam-se frequentes ataques a rebanhos que causam invariavelmente conflitos entre o homem e o animal selvagem. Para minimizar estes eventos é necessário monitorizar as zonas de presença de lobo e a utilização de técnicas não invasivas de amostragem aliadas a técnicas de análise de ADN são cada vez mais utilizadas. Assim, neste estágio iremos utilizar marcadores genéticos para análise de perfis de ADN com o objectivo de identificação de espécies de predadores responsáveis por prejuízos em explorações de agro-pecuária. Serão utilizadas tecnologias de Biologia Molecular, nomeadamente amplificação de ADN especificamente em amostras forenses. O resumo dos resultados do estágio do grupo será apresentado da elaboração de apresentação multimédia.
Observações: Trazer bata, caderno de laboratório A5 com capa dura, marcador de acetato.
Não é subsidiado alojamento.
Os grupos apresentam um resumo dos resultados do estágio, através de apresentação multimedia, poster virtual e logotipo representativo do estágio.
O estágio inclui a oferta de almoço na cantina do campus.


1º dia de estágio
Local de encontro: INIAV-Oeiras    Hora: 10:00
Pessoa de contacto: Paula Sá Pereira
[Estágios nesta instituição]




4. CSI Vegetal - Bactérias assassinas - COMPLETO
Instituição: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I. P. – INIAV - Oeiras
Responsável: Paula Sá Pereira
Nº Alunos: 2      Anos: 10º/11º/12º      Área Biologia
Data: de 04-07-2016 a 08-07-2016      Horário: Manhã + Tarde
Descrição: Tomates com pintas? Couves com manchas? Quem será o culpado? Sabias que as doenças nas plantas podem ser provocadas por bactérias? No laboratório de fitobacteriologia do INIAV pesquisamos diariamente as principais doenças que afetam o mundo vegetal, contribuindo para a qualidade e segurança dos produtos/plantas que chegam ao nosso prato ou ao nosso jardim.
Como fazemos:
1) Boas práticas num Laboratório de Microbiologia.
2) Preparação de meio de cultura seletivo.
3) Isolamento de bactérias, a partir de material vegetal.
4) Extração de DNA.
5) Identificação de bactérias por técnicas de biologia molecular (PCR e eletroforese em gel de agarose).
5) Caracterização molecular por “fingerprinting”.
6) Ensaios biológicos em hospedeiros suscetíveis, para confirmação da identificação.

Se queres conhecer um laboratório e saber mais sobre as bactérias, esperamos por ti!

Observações: Trazer bata, caderno de laboratório A5 com capa dura, marcador de acetato.
Os grupos apresentam um resumo dos resultados do estágio, através de apresentação multimédia, e logotipo representativo do estágio.Não é subsidiado alojamento.
O estágio inclui a oferta de almoço na cantina do campus.


1º dia de estágio
Local de encontro: INIAV- Ex Estação Agronómica - Edificio Florestal (ao pé do ITQB)    Hora: 10:00
Pessoa de contacto: Paula Sá Pereira
[Estágios nesta instituição]




5. Marcadores moleculares para o melhoramento genético do trigo - COMPLETO
Instituição: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I. P. – INIAV - Oeiras
Responsável: Fernanda Simoes
Nº Alunos: 2      Anos: 10º/11º/12º      Área Biologia
Data: de 04-07-2016 a 08-07-2016      Horário: Manhã + Tarde
Descrição: A concentração de pigmentos amarelos no trigo duro é um critério importante de particular importância na determinação da qualidade comercial e nutricional de produtos finais como as massas.
Sabe-se também que a heritabilidade dos pigmentos amarelos é controlada em grande parte pela acção aditiva dos vários genes envolvidos e altamente transmissíveis. O gene Psy que codifica a enzima sintase do fitoeno (phytoene synthase) foi identificado como um dos genes mais importantes para a expressão do pigmento amarelo em grãos de trigo e todos os estudos apontam o gene Psy como um importante marcador funcional que facilitará os esforços de melhoramento permitindo a selecção de plantas com níveis de pigmento elevados com selecção directa para os alelos desejáveis.
Neste estágio vamos identificar, por técnicas de ADN alelos de genes Psy de plantas de trigo duro de variedades portuguesas com diferentes características em termos de cor. Vamos determinar genótipos utilizando técnicas de PCR e de sequenciação de ADN e finalmente avaliaremos a utilização dos alelos determinados como marcadores funcionais para utilização em estratégias de melhoramento de plantas.

Observações: Trazer bata, caderno de laboratório A5 com capa dura, marcador de acetato.
Não é subsidiado alojamento.
Os grupos apresentam um resumo dos resultados do estágio, através de apresentação multimedia, poster virtual e logotipo representativo do estágio.
O estágio inclui a oferta de almoço na cantina do campus


1º dia de estágio
Local de encontro: INIAV-Oeiras    Hora: 10:00
Pessoa de contacto: Fernanda Simões
[Estágios nesta instituição]




6. Cork Life Hacks - transformar a cortiça
Instituição: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I. P. – INIAV - Oeiras
Responsável: Augusta Costa
Nº Alunos: 2      Anos: 10º/11º/12º      Área Outra
Data: de 04-07-2016 a 15-07-2016      Horário: Manhã + Tarde
Descrição: O sobreiro é único na Europa, cultivada em larga escala e explorada para a produção de uma casca - a cortiça. Portugal é o maior produtor mundial de cortiça e a indústria de cortiça nacional é líder mundial e inovadora nos seus produtos que vão desde a tradicional rolha de cortiça, à indústria automóvel, até a obras de design, a equipamento desportivo de alta competição e à indústria aeroespacial.
Vem comigo conhecer melhor como se produz e transforma a cortiça em Portugal:
a)Assistir ao descortiçamento de sobreiros no montado_
b)Visitar indústrias da cortiça
c)Processar (amostras) de cortiça tal como na indústria de preparação da cortiça (em laboratório)
d)Identificar as principais características da qualidade da cortiça: calibre, porosidade, principais defeitos (análise visual, em laboratório)
e)Classificar a cortiça por classes de qualidade comercial (em laboratório) através do:
1)uso de sofware de análise de imagem
2)uso de software de processamento de dados_
f)Determinar o calibre da cortiça (em laboratório)
1)Identificação de anéis de crescimento da cortiça
2)Curva de crescimento da cortiça
g)Avaliar o efeito das alterações climáticas no crescimento da cortiça (em laboratório)

Observações: Área Científica: Engenharia Florestal/Tecnologia dos Produtos Florestais
Trazer bata. Nos dias de visitas de estudo trazer calçado e roupa confortável e almoço volante.
Não é subsidiado alojamento. O estágio inclui a oferta de almoço na cantina do campus durante a sua duração.
Os alunos farão uma apresentação dos resultados obtidos em sessão própria de divulgação, e logotipo representativo do estágio.



1º dia de estágio
Local de encontro: Edifício Florestal (ao pé do ITQB) - INIAV Campus de Oeiras (ex estação agronómoca    Hora: 10:00
Pessoa de contacto: Augusta Costa
[Estágios nesta instituição]

Estágio já em curso / terminado



7. Alelopatia – As plantas lutam entre si ? De que armas dispõem ? - COMPLETO
Instituição: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I. P. – INIAV - Oeiras
Responsável: José António Passarinho
Nº Alunos: 2      Anos: 11º/12º      Área Biologia/Bioquímica
Data: de 11-07-2016 a 15-07-2016      Horário: Manhã
Descrição: O que é a alelopatia ?
A alelopatia estuda os efeitos causados por uma planta e/ou microrganismos (fungos, algas e bactérias) que directa ou indirectamente são prejudicais a outros organismos que vivem em determinado ecosistema. Esta interacção é regulada pelos metabolitos secundários produzidos ou exsudados para o ambiente. Consiste numa forma de ‘comunicação’ bioquímica entre plantas. Ou, por outras palavras, consiste num mecanismos de defesa da planta contra outros organismos.
Para que serve a alelopatia na Natureza?
Que plantas têm maior efeito alelopático?
Que utilizações pode ter para o Homem, p.e. na Agricultura ?
Como avaliar o potencial alelopático das plantas ?
É esta a nossa proposta. Queres descobrir algumas dessas plantas ?
Como vamos fazer:
Ensaios biológicos
a) Espécies com potencial alelopático
b) Selecção de plantas indicadoras
c) Preparação das sementes
d) Preparação de extratos aquosos
e) Ensaio em placa de Petri
f) Análise dos resultados

Esperamos que o seja aliciante o que vos propomos, cá vos esperamos !!

Observações: Trazer bata, caderno de laboratório A5 com capa dura, marcador de acetato.
Não é subsidiado alojamento.
Os grupos apresentam um resumo dos resultados do estágio, através de apresentação multimedia, poster virtual e logotipo representativo do estágio.
O estágio inclui a oferta de almoço na cantina do campus


1º dia de estágio
Local de encontro: INIAV - Edificio Florestal, Oeiras    Hora: 09:30
Pessoa de contacto: José Passarinho
[Estágios nesta instituição]




8. Os nemátodes como indicador biológico da saúde do solo
Instituição: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I. P. – INIAV - Oeiras
Responsável: Maria Lurdes Inácio
Nº Alunos: 4      Anos: 10º/11º/12º      Área Agronomia
Data: de 04-07-2016 a 08-07-2016      Horário: Manhã + Tarde
Descrição: A vitalidade do solo pode ser estimada por meio de indicadores biológicos, físicos e químicos. A comunidade de nemátodes presentes no solo é aceite como um bom indicador biológico do “estado de saúde” do solo. Os nemátodes são classificados de acordo com o seu papel nos ecossistemas e o comportamento trófico, ou seja, os que se alimentam de fungos, os que consomem bactérias, os predadores, os omnívoros e os nemátodes parasitas de plantas. Neste estágio vamos reconhecer os diferentes tipos de nemátodes, extraindo-os do solo e de partes de plantas para posterior observação à lupa e ao microscópio, visando a sua identificação pelas características morfológicas e ainda por métodos de biologia molecular.
Observações: É necessário trazer bata

1º dia de estágio
Local de encontro: INIAV - Quinta do Marquês, ed. CAP    Hora: 10:00
Pessoa de contacto: Maria de Lurdes Inácio -Tm 916626641
[Estágios nesta instituição]

Estágio já em curso / terminado



9. Os vírus também adoecem as plantas:vamos combatê-los!! - COMPLETO
Instituição: Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, I. P. – INIAV - Oeiras
Responsável: esmeraldina sousa
Nº Alunos: 2      Anos: 10º/11º/12º      Área Biologia
Data: de 11-07-2016 a 15-07-2016      Horário: Manhã + Tarde
Descrição: As plantas também adoecem com virus, mas os sintomas não são febre... Neste estágio vamos aprender a ver no campo, na estufa e no laboratório como sabemos que as plantas estão doentes com vírus!
Começaremos por no campo identificar os sintomas da doença ou seja o equivalente às borbulhas e à febre nas pessoas. Depois ficamos _mauzinhos e tentamos transmitir o vírus de umas plantas a outras.
Como os vírus não se vêm, temos que usar uma série de técnicas para os _observar_ isto é para os diagnosticar. Para isso usamos técnicas imunológicas, como o teste ELISA, que _vê_ a parte proteica do vírus. Por outro lado também vamos _ver_ a informação genética do vírus com técnicas biomoleculares que incluem a extração de ácidos nucleicos (DNA)e a amplificação dos mesmos por PCR. Como combater as viroses das plantas??!!É uma resposta que vamos encontrar juntos!!:):):)

Observações: Os alunos deverão trazer bata, sapatos fechados chapéu, caderno de laboratório.
O estágio inclui a oferta de almoço na cantina do campus.
Não é subsidiado alojamento.
Os grupos apresentam em auditório um resumo dos resultados do estágio, através de apresentação multimedia/ou poster virtual e logotipo representativo do estágio.


1º dia de estágio
Local de encontro: Campus Oeiras    Hora: 09:00
Pessoa de contacto: Esmeraldina, Margarida e Céu
[Estágios nesta instituição]