Saberás tu...sobre o Cérebro

Saberás tu... é uma parceria da Ciência Viva com o Jornal i.
Durante a Semana do Cérebro desafiámos os neurocientistas a responder a algumas perguntas simples e que dão que pensar.

 

De que modo o stress afecta o cérebro?

O stress é em certa medida o combustível extra para o cérebro enfrentar os desafios do dia-a-dia. Esta resposta fisiológica é eficaz quando o insulto é ocasional — quando corremos para apanhar o autocarro, ou quando a solução para um problema só nos ocorre durante o exame. Já quando os desafios se prolongam no tempo, a conectividade entre neurónios enfraquece nas áreas do cérebro envolvidas numa resposta atenta e ponderada, em benefício de outros circuitos. Este desequilíbrio pode resultar numa forma diferente de enfrentar o dia-a-dia, menos motivada e atenta a soluções novas, em benefício de decisões baseadas em hábitos antigos.

Resposta de Eduardo Dias Ferreira, The Rockefeller University, EUA

Porque morrem os neurónios?

Os neurónios podem morrer logo após o nascimento ou durante a vida adulta. No nascimento morrem de forma selectiva e controlada, essencial ao desenvolvimento do cérebro. Na vida adulta as causas da morte são tão diversas como traumatismos, doenças cardiovasculares, exposição a toxinas ambientais e agentes infecciosos, ou consumo de drogas, fármacos ou álcool. Os neurónios podem também morrer como consequência do envelhecimento ou do desuso. Estas células são, portanto, muito vulneráveis, e embora se saiba que é possível que novas células originem neurónios, a sua baixa taxa de formação inviabiliza a substituição das células lesadas.

Resposta de Margarida Castro Caldas, Instituto de Investigação do Medicamento - iMed, Universidade de Lisboa

 

Qual o efeito das drogas no cérebro?

As drogas de abuso enganam o cérebro porque se assemelham aos mensageiros que os neurónios usam para comunicar, podendo diferentes drogas interferir com diferentes tipos de mensagens.
Os seus efeitos agradáveis devem-se à estimulação da comunicação no circuito cerebral do prazer, que recompensa comportamentos essenciais à sobrevivência.
Após vários consumos, o cérebro adapta-se à presença destas drogas. Deixa assim de ser capaz de funcionar normalmente na sua ausência, estimulando o consumidor a manter o hábito.
Por se encontrar em desenvolvimento, o cérebro dos adolescentes é bastante mais susceptível aos efeitos destas drogas.

Resposta de Teresa Cunha-Oliveira, Centro de Neurociências e Biologia Celular, Universidade de Coimbra

 

Quais as causas dos autismo?

O autismo resulta de uma perturbação no desenvolvimento embrionário do Sistema Nervoso. Pode afirmar-se que se nasce autista. Sabe-se que o Autismo tem uma base genética. A sua origem é multigénica e multifactorial; nem sempre estão envolvidos os mesmos genes e interacção entre os diferentes genes presentes e entre estes e o meio ambiente. A conjunção destes factores contribui para que a sua expressão seja variável. Está, por outro lado, bem demonstrado que factores como a relação mãe / bebé, a educação ou a condição social, não determinam em nada o aparecimento do autismo.

Reposta de Carlos Nunes Filipe, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Nova de Lisboa


Quais as diferenças entre os dois hemisférios do nosso cérebro?

Os dois hemisférios do nosso cérebro são anatomicamente semelhantes mas têm algumas funções distintas. O hemisfério direito comanda o movimento e a sensibilidade da metade esquerda do corpo, enquanto o esquerdo comanda a metade direita. Estão ligados entre si através de um feixe espesso de fibras nervosas, o corpo caloso, permitindo a troca de informação entre eles. O hemisfério esquerdo está orientado para o processamento simbólico e compreensão verbal. Já o hemisfério direito está envolvido na localização de objectos no espaço e nas emoções. Na maior parte de nós o equilíbrio entre os dois hemisférios não é perfeito: um deles tem uma actividade dominante, o que nos torna diferentes uns dos outros.

Resposta de Catarina Resende de Oliveira, Centro de Neurociências e Biologia Celular, Universidade de Coimbra


  

Mais