Dia C - Bioética e Vacinação Infantil

Vacinação

 


Bioética e vacinação infantil

Que razões culturais, religiosas ou filosóficas poderão estar por trás da recusa de alguns pais em vacinar os filhos? Deverá esta situação ser encarada como um direito individual? E quais as consequências para a sociedade?

A disseminação de muitas doenças graves pode ser substancialmente limitada se parte considerável da população estiver vacinada. Esta protecção beneficia mesmo os poucos indivíduos não vacinados ou aqueles para quem a vacinação não é eficaz. Esta imunidade de grupo poderá ficar seriamente comprometida se um número elevado de pessoas não for vacinado.

Portugal dispõe desde há 50 anos de um Programa Nacional de Vacinação. Poderá a sua eficácia estar em risco devido a decisões individuais e controvérsias sobre a vacinação?

Esta iniciativa integra as Conversas Ciência Conhecimento (Dia C) organizadas em parceria com o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, que decorre no Pavilhão do Conhecimento até Novembro na última quinta-feira do mês.

 

Vídeo da sessão

 

 

 

  

Oradores: Filipe Almeida (Universidade do Porto e CNECV), Graça Freitas (DGS) e Virgínia Calado (Universidade do Minho)

 

Os oradores:

Filipe Almeida

Filipe Almeida 

Médico pediatra do Centro Hospitalar de São João, com a subespecialidade em Cuidados Intensivos Pediátricos, Filipe Almeida é Professor Auxiliar da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto – FMUP. Presidente da Comissão de Ética para a Saúde do CHSJ e da FMUP, é também membro da Comissão de Ética para a Investigação Clínica. Filipe Almeida é director do Serviço de Humanização do Centro Hospitalar de São João, director do Centro de Estudos de Bioética, membro da Academia Pontifícia para a Vida e director do Departamento de Educação e Simulação Médica da FMUP.

 

Graça Freitas

Graça Freitas 

Licenciada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, onde foi assistente convidada. Graça Freitas é Subdirectora Geral de Saúde. Coordena o Programa Nacional de Vacinação, preside à Comissão Técnica de Vacinação e coordena outros programas de controlo de doenças transmissíveis. Integra os Comités de Doenças Transmissíveis e de Vacinação da Organização Mundial da Saúde e a Rede de Vigilância de Doenças Transmissíveis da União Europeia e diversas redes de vigilância europeia, representando a Direcção-Geral da Saúde e Portugal no sistema de alerta e resposta europeu (Early Warning and Response System).

 

 Virgínia Calado

Virgínia Calado 

Doutorada em Ciências Sociais – especialidade de Antropologia Social e Cultural pelo no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, mestre em Sociologia pelo ISCTE e licenciada em Antropologia Social pela mesma instituição. Virgínia Calado é investigadora de pós-doutoramento no ICS-UL. Tem feito investigação sobre questões ligadas ao corpo, saúde, alimentação e adopção de terapêuticas não-convencionais, desenvolvendo actualmente investigação sobre alimentação, políticas alimentares e políticas de saúde. Virgínia Calado integrou a equipa do projecto “A vacinação – sociedade e administração do corpo: abordagens antropológicas”.

 

Saiba mais:

Sobre o Programa Nacional de Vacinação.

Sobre a história da vacinação (em inglês).

A Semana Europeia da Vacinação decorre no Pavilhão do Conhecimento entre 21 e 24 de Abril.

E não deixe de visitar a nossa exposição Viral.

 


 

Sessões anteriores:

Dia 28 de Janeiro | PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA

Dia 25 de Fevereiro | MELHORAMENTO COGNITIVO

Dia 31 de Março | BIOLOGIA SINTÉTICA

 

[Regressar]

O Dia C tem como media partner o jornal Público.