Dia C - Melhoramento Cognitivo

Melhoramento Cognitivo

 
Alguns desenvolvimentos recentes para tratar perturbações de saúde mental, como défice de atenção, depressão ou Alzheimer, poderão também ser usados para intervir em cérebros “normais”. Psicofármacos, implantes neuronais e interfaces cérebro-máquina apresentam-se como formas de melhoramento cognitivo e prometem desenvolver a memória, a atenção, a resistência ou competências sociais.
 
Mas o melhoramento cognitivo levanta questões que merecem debate alargado. Será mesmo real e duradoura? Como se distingue tratamento de melhoramento? A quem se pode aplicar, e quem poderá decidir sobre a sua aplicação? Que riscos físicos e psicológicos envolve? E que implicações sociais terá? Serão necessárias normas específicas para regular a sua utilização de forma não discriminatória? Deve a investigação biomédica para fins não-terapêuticos ser apoiada com financiamento público?

Vídeo da Sessão:


Oradores: Albino Jorge Oliveira-Maia (Fundação Champalimaud), Alexander Gerner (Universidade de Lisboa) e Teresa Summavielle (i3S-IBMC)
Moderador: Vasco Trigo

 

Os oradores:

Albino Jorge Oliveira-Maia
Albino Oliveira Maia é formado em Medicina pela Universidade do Porto, e doutorado em Neurociências, na Duke University. Já em Portugal, estudou psiquiatria de adultos na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, e foi investigador de pós-doutoramento no Programa Champalimaud de Neurociências. Concluiu ainda um mestrado em Saúde Pública na Harvard School of Public Health, em Boston, estudando estimulação cerebral não-invasiva com o Prof. Alvaro Pascual-Leone. Albino Oliveira-Maia coordena actualmente a Unidade de Neuropsiquiatria do Centro Clínico Champalimaud e é psiquiatra e professor convidado na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa.

Albino Maia

 

Alexander Gerner
Doutorado em História e Filosofia da Ciência pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, é dramaturgo, encenador teatral e investigador em filosofia das ciências. É bolseiro FCT de pós-doutoramento, com o projecto Philosophy of Cognitive Enhancement, no Centro de Filosofia da Ciência da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL). Dirige a linha temática de investigação do CFCUL (2015-2020) Filosofia das Tecnologias do Humano. Em 2011 foi bolseiro no CASBS (Universidade de Stanford), com o projecto Cognitive (Neuro-) Sciences and the Humanities. .

 Alexander Gerner

 

Teresa Summavielle
Bióloga, com um doutoramento sobre o desenvolvimento do sistema nervoso exposto a psicoestimulantes. Dirige o Grupo de Biologia da Adição (i3S-IBMC), que explora os mecanismos de neurotoxicidade induzida pela adição a drogas. Coordena cursos sobre neurobiologia da adição em dois programas doutorais na Universidade do Porto) e é professora convidada na Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Porto (ESTSP-IPP). Tem também trabalhado em comunicação de ciência como instrumento para prevenção do abuso de drogas entre adolescentes.

 Teresa Summavielle

 

 

   

 

 

O Dia C tem como media partner o jornal Público.