Mar Profundo - Um Mergulho no Desconhecido

Com Ana Colaço - investigadora do MARE - Centro de Ciências do Mar e do Ambiente - Açores

Que segredos se escondem no fundo do oceano? Que seres vivos habitam essas paragens onde a luz do sol não chega?

Paisagens de suster a respiração, com lavas em forma de almofada, rochas gigantescas do manto, chaminés que deitam fumo negro e fluidos a mais de 350ºC, acolhem formas de vida que não dependem da energia do sol. Ana Colaço tem-se dedicado ao estudo e conservação dos ecossistemas destas fontes hidrotermais.

Na Conferência de Natal 2016, a investigadora leva-nos numa expedição científica às profundezas do mar dos Açores e partilha a emoção das suas descidas como aquanauta. Ana Colaço junta ao gosto pela descoberta o de comunicar, sobretudo quando nos mostra que o mar profundo não é um deserto mas um dos ambientes mais ricos do planeta. 

 

21 de Dezembro | 19.00 | Teatro Nacional D. Maria II

 

 

Assista em directo a partir das 19h00

 

 

Ana Colaço é licenciada em Recursos Faunísticos e Ambiente pela Universidade de Lisboa e doutorada em Ecologia e Biossistemática na mesma universidade. Actualmente é investigadora no MARE - Açores.

Vive na Ilha do Faial desde 2001, onde tem feito investigação no Instituto do Mar, sediado no Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores e integrado no MARE.

Desde 1993 que se dedica ao estudo do mar profundo e participa em missões oceanográficas, tendo mergulhado em submersíveis e trabalhado com diferentes robôs marinhos.

Tornou-se aquanauta em 1997 durante o trabalho para a tese de doutoramento, descendo pela primeira vez num submersível a 800 metros de profundidade. O seu mergulho mais profundo foi realizado no campo hidrotermal Rainbow, descoberto no mar dos Açores em 1997 e com uma profundidade de 2300 metros.   

 

Participou em mais de 20 missões oceanográficas nomeadamente com o IFREMER (França), a VUB (Bélgica), o GEOMAR (Alemanha), o NOC (UK), a Universidade de Bergen (Noruega), a NHM London (UK), o Senkenberg Institute (Alemanha), o Scripps, o WHOI (USA) e o NIO Goa (India). Tem também estado envolvida em projectos tecnológicos para o desenvolvimento de instrumentação e o estabelecimento de observatórios no mar profundo. Actualmente integra o grupo de trabalho “Deepsea ecology” do International Council for the Exploration of the Sea (ICES). Em 2003 ganhou o prémio IMAR - Luiz Saldanha, e em 2006 foi uma das “cientistas na Redacção“ no Jornal Público.

   

 

 

Conferências anteriores

Voltar